sicnot

Perfil

Desporto

TAS reverte decisão da UEFA e atribui vitória à Albânia sobre a Sérvia

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) atribuiu hoje uma vitória por 3-0 à Albânia no jogo com a Sérvia, do Grupo I de qualificação para o Europeu de futebol de 2016, que integra Portugal, revertendo a decisão da UEFA.

A partida disputada em Belgrado foi interrompida aos 42 minutos, quando jogadores das duas equipas se envolverem em confrontos, depois de um "drone" telecomandado ter sobrevoado o relvado com uma bandeira da Grande Albânia, projeto nacionalista destinado a unir na mesma entidade as comunidades albanesas na Albânia, Kosovo, Montenegro, Macedónia e sul da Sérvia.

A partida disputada em Belgrado foi interrompida aos 42 minutos, quando jogadores das duas equipas se envolverem em confrontos, depois de um "drone" telecomandado ter sobrevoado o relvado com uma bandeira da Grande Albânia, projeto nacionalista destinado a unir na mesma entidade as comunidades albanesas na Albânia, Kosovo, Montenegro, Macedónia e sul da Sérvia.

© Marko Djurica / Reuters

A UEFA tinha inicialmente atribuído uma vitória por 3-0 aos sérvios no encontro disputado a 14 de outubro de 2014 e que foi interrompido aos 42 minutos, por razões de segurança, mas também retirado à seleção da Sérvia os três pontos correspondentes ao triunfo.

O TAS, de acordo com a nota publicada no seu sítio oficial na Internet, entendeu que não ficou provado -- como considerou a UEFA -- que a seleção albanesa recusou regressar ao jogo e que o árbitro inglês Martin Atkinson tenha emitido uma "ordem clara, direta e incondicional" para que os jogadores reatassem a partida.

O tribunal com sede em Lausana, na Suíça, manteve a multa de 100.000 euros aplicada pelo organismo que rege o futebol europeu à federação albanesa, por lhe atribuir a responsabilidade pelo aparecimento do 'drone' com uma bandeira da denominada 'Grande Albânia' sobre o estádio, em Belgrado, que esteve na base dos incidentes.

Relativamente à Sérvia, à qual foi atribuída uma derrota por 3-0, por falta de comparência, o TAS manteve as penalizações que a UEFA tinha inicialmente imposto: retirada de três pontos, realização de dois jogos na condição de visitada à porta fechada (dos quais já cumpriu um) e multa de 100.000 euros.

O encontro entre a Sérvia e a Albânia foi interrompido por Atkinson aos 42 minutos, quando jogadores das duas equipas e adeptos se envolverem em confrontos, depois de um 'drone' telecomandado ter sobrevoado o relvado com uma bandeira que representava um mapa da 'Grande Albânia'.

O Kosovo, ex-província sérvia de população maioritariamente albanesa, proclamou unilateralmente a independência em fevereiro de 2008. De alguns setores de Belgrado surgiram denúncias de um projeto visando a criação de uma 'Grande Albânia', reunindo as comunidades albanesas da Albânia, Kosovo, Montenegro, Macedónia e do sul da Sérvia.

Com a decisão do TAS, a Albânia igualou a Dinamarca no segundo lugar do Grupo I, ambas com 10 pontos, menos dois do que Portugal, líder isolado, enquanto a Sérvia mantém-se com um, em igualdade com a lanterna-vermelha Arménia.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.