sicnot

Perfil

Desporto

Ivan Basso operado com êxito a cancro nos testículos

O italiano Ivan Basso foi esta quarta-feira operado "com êxito" a um cancro nos testículos e deverá ter alta na quinta-feira, informou o hospital de Milão onde decorreu a cirurgia ao ciclista, que abandonou a Volta a França.

Na segunda-feira, Basso revelou que sofria de cancro dos testículos, o qual lhe foi diagnosticado num exame durante a presente edição da Volta a França. (Arquivo)

Na segunda-feira, Basso revelou que sofria de cancro dos testículos, o qual lhe foi diagnosticado num exame durante a presente edição da Volta a França. (Arquivo)

© Alessandro Garofalo / Reuters

"Ivan Basso foi hoje submetido a uma intervenção cirúrgica de remoção do testículo esquerdo devido à presença de um tumor", lê-se no comunicado do hospital, que acrescenta que a operação "foi concluída com êxito e o paciente, já em ótimas condições gerais, receberá alta amanhã [quinta-feira]".

Após conhecidos os resultados das análises feitas ao tumor "será possível estabelecer se é necessário ou não um tratamento adicional".

"O prognóstico a longo prazo neste tipo de tumor nos testículos é excelente", acrescenta o hospital.

Na segunda-feira, Basso revelou que sofria de cancro dos testículos, o qual lhe foi diagnosticado num exame durante a presente edição da Volta a França.

"Durante a quinta etapa, fui vítima de uma pequena queda. Magoei-me nos testículos. Senti uma leve dor durante alguns dias e então decidi consultar os médicos do Tour e a minha equipa. Mandaram-me para o hospital e os testes revelaram cancro testicular", referiu.

Ivan Basso venceu a Volta a Itália em 2006 e 2010, tendo sido terceiro na Volta a França em 2004 e segundo em 2005. Entre 2006 e 2008 esteve suspenso por doping, pelo envolvimento na 'Operação Puerto'.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".