sicnot

Perfil

Desporto

Primeiro-ministro japonês ordena revisão completa do projeto do estádio dos Olímpicos de 2020

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, ordenou hoje uma revisão completa ao projeto do futuro estádio dos Olímpicos de Tóquio, em 2020, em reação às inúmeras críticas aos custos estimados no equivalente a 1,87 mil milhões de euros.

© KYODO Kyodo / Reuters

"Decidi rever inteiramente os planos e começar do zero", afirmou Shinzo Abe aos jornalistas, após um encontro com o presidente do comité organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio, Yoshiro Mori.

"Tomei esta decisão porque tenho a garantia de que podemos definitivamente terminar a construção a tempo (...). Por outro lado, o estádio não vai estar pronto para acolher o Mundial de Râguebi", em 2019, lamentou, reafirmando o apoio do governo ao evento, cujos organizadores têm agora que procurar alternativas.

Os resultados de uma sondagem realizada pela televisão estatal japonesa NHK, divulgados esta semana, indicam que oito em cada dez japoneses rejeitam a construção do polémico novo estádio olímpico, cujos custos duplicaram face ao orçamento inicial.

As novas instalações desportivas têm estado envolvidas em polémica sobretudo desde que foi selecionado, em 2012, o projeto da arquiteta iraquiana Zaha Hadid pela sua dimensão faraónica e por não estar adaptado ao ambiente urbano que envolve o recinto, a ser construído sobre o antigo estádio dos Jogos Olímpicos de 1964

Inicialmente, o orçamento era de 162 mil milhões de ienes (1,2 mil milhões de euros), mas o montante foi revisto em alta para 252 mil milhões de ienes (1,87 mil milhões de euros), verba nunca vista na história do desporto. A título de comparação, o estádio 'sede' dos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres, custou 680 milhões de euros, enquanto o de Pequim, na edição anterior, 455 milhões.

Lusa

  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19