sicnot

Perfil

Desporto

Camisola amarela da Volta à França atingido com urina

O britânico Chris Froome, camisola amarela da Volta a França, revelou hoje que foi atingido com urina por um espetador durante a 14ª etapa da prova de ciclismo.

© Stefano Rellandini / Reuters

"Foi aos 50 ou aos 60 quilómetros, um tipo atirou-me um copo de urina, enquanto me chamava dopado. Isto deve-se às reportagens irresponsáveis que foram feitas nos últimos dias", acusou o líder da Sky, que nos últimos dias tem visto as suas performances repetidamente questionadas pela imprensa francesa e internacional.

Froome mostrou-se profundamente desiludido: "Não acuso o público, já que a maioria nos apoia. Esse homem faz parte de uma minoria."

Hoje de manhã, antes da partida para a 14.ª etapa, o seu colega Richie Porte revelou que recebeu um murro de um espetador no final da etapa de terça-feira.

"São tão contra qualquer coisa que nós façamos. Mereço ser assobiado? O Chris merece isto? Não me parece. Talvez em dez anos percebam que estas vitórias são legítimas", argumentou o australiano, que confessou ter discutido com o público depois de ter levado um murro.

Rivalidade francesa entregou primeiro triunfo à MTN-Qhubeka

Thibaut Pinot e Romain Bardet levaram hoje às últimas consequências a sua rivalidade, entregando a vitória a Stephen Cummings, numa etapa em que Nairo Quintana subiu ao segundo lugar.

Tidos como as duas grandes promessas do ciclismo francês para os próximos anos, Thibaut Pinot (FDJ), terceiro do Tour2014, e Romain Bardet (AG2R-La Mondiale), sexto, não se entenderam no último quilómetro da subida até Mende, preferiram não colaborar, anulando-se, e viram como o britânico da MTN-Qhubeka, vindo da numerosa fuga do dia, os ultrapassava a grande velocidade para dar à equipa sul-africana o primeiro triunfo da sua história na Volta a França.

A imagem de Bardet, furioso, a bater no capacete enquanto Cummings festejava, revelava bem o erro crasso cometido pelos dois ciclistas gauleses.

Tiago Machado (Katusha) foi o primeiro português, no 59.º posto, a 09.44 minutos do primeiro, e Nelson Oliveira (Lampre-Merida) e José Mendes (Bora-Argon 18) chegaram juntos, a 12.39.

O ciclista da Katusha vai partir para a 15.ª etapa, uma ligação de 183 quilómetros entre Mende e Valence que se disputa no domingo, na 50.ª posição da geral, enquanto Oliveira sairá da 78.ª e Mendes da 148.ª.

Com Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.