sicnot

Perfil

Desporto

Morte de Bianchi é a primeira na Fórmula 1 desde Ayrton Senna

O piloto francês Jules Bianchi, que morreu hoje após nove meses em coma, na sequência do acidente sofrido a 05 de outubro de 2014, no Grand Prémio do Japão, é a primeira vítima mortal na Fórmula 1 em mais de 20 anos.

© Yuya Shino / Reuters

O último acidente fatítido foi o do brasileiro Ayrtin Senna, que morreu a 01 de maio de 1994, no cicuito de Imola (Itália), durante o Grande Prémio de São Marino, um dia depois de o austríaco Roland Ratzenberger ter perdido a vida numa das sessões de treinos.

Após as mortes de Senna e Ratzenberger, as medidas de segurança na Fórmula 1, tanto nas pistas como nos carros, tiveram um crescimento gradual e a lista de acidentes fatais manteve-se em branco até hoje.

Jules Bianchi, que morreu na sequência de um embate a alta velocidade numa grua no circuito de Suzuka, é o 27.º piloto a morrer devido a um acidente desde que o campeonato do mundo de Fórmula 1 começou em 1950.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.