sicnot

Perfil

Desporto

Funeral do piloto Jules Bianchi realiza-se na terça-feira

O funeral de Jules Bianchi, o piloto francês de Fórmula 1 que morreu na sexta-feira, após ter passado nove meses em coma, vai realizar-se na terça-feira, em Nice, sua terra na natal.

AHMAD YUSNI

As cerimónias fúnebres realizam-se na catedral Sainte-Réparate, no centro da cidade, a partir das 09:00 locais (10:00 em Lisboa).

O piloto de 25 anos morreu no Centro Hospitalar da Universidade de Nice, no sul de França, onde permanecia em coma desde o acidente ocorrido a 05 de outubro de 2014 no circuito de Suzuka.

Bianchi ficou gravemente ferido depois de o seu monolugar ter embatido contra uma grua que tentava remover o carro do alemão Adrian Sutil (Sauber), que se tinha despistado no local, numa corrida disputada em condições climatéricas muito adversas.

O piloto da Marussia, que sofreu uma "lesão axional difusa", uma das formas mais graves de traumatismo cerebral, estava em coma na unidade de Nice, para onde foi transferido, em novembro, depois de ter recebido os cuidados iniciais no Japão.

Bianchi, que completava 26 anos no próximo mês, juntou-se à escuderia anglo-russa em 2013, tendo corrido em 34 Grandes Prémios e somado dois pontos no campeonato mundial até ao acidente no circuito de Suzuka.

Lusa

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.