sicnot

Perfil

Desporto

Magnata da Hyunday pode avançar para a FIFA

O sul-coreano Chung Mong-joon, vice-presidente da FIFA entre 1994 e 2011, admitiu hoje candidatar-se à presidência do organismo, cujas eleições foram marcadas para 26 de fevereiro de 2016.

© Lee Jae Won / Reuters

"Estou a pensar candidatar-me. Temos de marcar o começo de uma nova era na FIFA", disse à agência sul-coreana Yonhap o magnata do grupo Hyunday, de 64 anos.

Sem nunca se referir a Michel Platini, presidente da UEFA e também provável candidato nas eleições do próximo ano, Chung Mong-joon criticou "o eurocentrismo das elites" na FIFA, onde "paira a ideia que o seu presidente deve ser europeu".

"Sei que há bastante ceticismo entre as pessoas que questionam a possibilidade de um asiático vir a assumir a presidência da FIFA", considerou o empresário.

Chung Mong-joong também não poupou o presidente demissionário, Joseph Blatter, a quem acusou de querer "supervisionar a campanha até fevereiro", quando o suíço "devia focar-se nas reformas do organismo".

Aquele que é um dos maiores acionistas da Hyunday, e um dos filhos do fundador do grupo, Chung Ju-yung, exerceu o cargo de presidente da Federação Sul-coreana de Futebol (KFA) durante 17 anos, foi deputado parlamentar e candidato ao município de Seul.

O empresário foi também um dos 'mentores' da candidatura da Coreia do Sul ao Mundial de 2002, cuja organização foi partilhada com o Japão.

Ao fim de seis anos como vice-presidente da FIFA, Chung Mong-joong deixou o cargo em 2011, depois de perder a 'corrida' para o príncipe da Jordânia Ali Bin Al Hussein.

Nesse mesmo ano, o sul-coreano apoiou a candidatura de Mohamed Bin Hammam, do Qatar, à presidência da FIFA, numas eleições ganhas pela quarta vez consecutiva por Blatter.

Na segunda-feira, fonte próxima de Michel Platini avançou à AFP que o francês "está seriamente a pensar em candidatar-se".

"Irá tomar uma decisão num período máximo de duas semanas para fechar a porta a qualquer adversário que possa surgir", acrescentou a mesma fonte.

Caso avance com uma candidatura, o antigo internacional francês, agora com 60 anos, é considerado um dos principais favoritos a vencer as eleições, depois de ter garantido o apoio de quatro das seis confederações mundiais. Apenas a Confederação Africana de Futebol (CAF) e a confederação da Oceânia não apoiariam o atual líder da UEFA.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.