sicnot

Perfil

Desporto

Selecionador da Grécia demite-se após cinco meses no cargo

O uruguaio Sergio Markarian anunciou esta terça-feira que apresentou a sua demissão de selecionador de futebol da Grécia, o que sucede depois de apenas cinco meses no cargo.

Antigo selecionador do Peru (2010 a 2013) e do Paraguai (1999 a 2001), Sergio Markarian, de 70 anos, tinha assinado contrato por um ano por um valor estimado de 350 mil dólares. (Arquivo)

Antigo selecionador do Peru (2010 a 2013) e do Paraguai (1999 a 2001), Sergio Markarian, de 70 anos, tinha assinado contrato por um ano por um valor estimado de 350 mil dólares. (Arquivo)

© Kostas Tsironis / Reuters

"Vim para a Grécia para ajudar a seleção num momento crítico. Peço desculpa aos adeptos gregeos porque os resultados não estão à altura das suas expetativas", declarou.

Antigo selecionador do Peru (2010 a 2013) e do Paraguai (1999 a 2001), Sergio Markarian, de 70 anos, tinha assinado contrato por um ano por um valor estimado de 350 mil dólares. Na Grécia, antes da seleção, orientou clubes como o Iraklis, Ionikos e Panathinaikos.

O comando da seleção limitou-se a três jogos, sem vitórias, em que sobressai uma inesperada e humilhante derrota com as Ilhas Faroé (2-1), nas eliminatórias para o Euro2016. A Grécia segue em último no grupo F, com dois pontos em seis jogos.

Entretanto, Giorgos Girtzikis, presidente da federação grega de futebol, disse à estação de rádio Sport FM que não pretendia aceitar a demissão de Markarian. "Continuo a acreditar nele, tem a minha confiança", afirmou.

Lusa

  • Aviação russa matou mais de 11 mil pessoas na Síria

    Mundo

    Pelo menos 11.612 pessoas morreram na Síria em resultado dos bombardeamentos da aviação russa, aliada do Governo de Damasco, iniciados em 30 de setembro de 2015, de acordo com dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

  • Mais de 500 casos de sarampo na Europa este ano, avisa OMS

    Mundo

    Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no verão do ano passado.