sicnot

Perfil

Desporto

Alberto Contador "muito afetado" por queda na Volta a França

O ciclista espanhol Alberto Contador (Tinkoff-Saxo) revelou esta quarta-feira que ficou "muito afetado nas pernas e braço" na sequência de uma queda, na descida de Allos, no decorrer da 17ª etapa da Volta a França.

"De pensar em diminuir a desvantagem a perder quase três minutos e ainda assim estar agradecido", escreveu o líder da Tinkoff-Saxo. (Arquivo)

"De pensar em diminuir a desvantagem a perder quase três minutos e ainda assim estar agradecido", escreveu o líder da Tinkoff-Saxo. (Arquivo)

© Benoit Tessier / Reuters

"A roda escapou-me e caí. Tentámos [ele e os companheiros Peter Sagan e Michael Rogers] recuperar a bicicleta, mas estava estragada e o Sagan emprestou-me a sua. Tentei descer o melhor possível, mas no início da subida voltei a trocá-la pela minha para minimizar as perdas", explicou o vencedor das edições de 2007 e 2009 do Tour, assim que cortou a meta, com um atraso superior a dois minutos para o camisola amarela Chris Froome (Sky).

Com feridas na perna direita e num distante quinto lugar na geral, o madrileno não se deu por vencido: "O ciclismo é assim, umas vezes as coisas saem-te bem, outras não. Agora só quero por gelo".

Posteriormente, através da rede social Twitter, Contador revelou que ficou "muito afetado nas pernas e braço".

"De pensar em diminuir a desvantagem a perder quase três minutos e ainda assim estar agradecido", escreveu o líder da Tinkoff-Saxo.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43