sicnot

Perfil

Desporto

Cinco adeptos do Chelsea proibidos de entrar em estádios de futebol

Cinco adeptos do Chelsea foram hoje proibidos de entrar em estádios de futebol, após a decisão de um tribunal britânico, que decretou impedimentos de três a cinco anos aos elementos presentes num incidente racista em Paris.

© Reuters Staff / Reuters

O incidente verificou-se em fevereiro deste ano, quando um homem negro francês foi empurrado para fora de uma carruagem do metropolitano depois de um jogo da Liga dos Campeões, que opôs o Paris Saint-Germain ao Chelsea.

"Este foi um comportamento repugnante, desagradável, ofensivo, arrogante e totalmente inaceitável numa sociedade moderna e civilizada", afirmou o juiz Gareth Branston, acrescentando ainda que tais acontecimentos devem ser erradicados.

Dos cinco adeptos, apenas Jordan Munday não vai cumprir cinco anos de proibição, no entanto, está impedido de entrar em estádios de futebol durante três anos, por se ter juntado aos compatriotas nos cânticos racistas: "Nós somos racistas e adoramos sê-lo", entoavam os cinco adeptos do Chelsea, entre os quais estava ainda um agente policial, Richard Barklie.

O incidente, que foi capturado por um inglês a viver em França, provocou críticas em todo o mundo, levando o Chelsea a proibir a entrada destes cinco homens em Stamford Bridge.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.