sicnot

Perfil

Desporto

Froome encontrou uma força extra para manter a amarela na Volta à França

O ciclista britânico Chris Froome (Sky) não escondeu hoje a sua emoção por ter garantido, praticamente, o segundo triunfo na Volta a França, revelando que temeu perder a camisola amarela para Nairo Quintana (Movistar).

© Stefano Rellandini / Reuters

"Na entrada na última subida, estava no meu limite e tive de encontrar uma força extra para continuar a pedalar. Foram só 110 quilómetros, mas pareceram-me 300. Ainda não me mentalizei do que acabou de acontecer. Pensei em tanta coisa enquanto subia o Alpe d'Huez", começou por contar o homem que, no domingo, vai repetir o triunfo de 2013.

Froome reconheceu que o ataque de Quintana, o segundo da geral, o assustou e atribuiu a salvação da amarela, que ficou presa ao seu corpo por 1.12 minutos, ao trabalho dos seus companheiros, sobretudo de Richie Porte, que o rebocou quase até ao topo do Alpe d'Huez, ponto final da 20.ª etapa.

"Pensei em todos os sacrifícios, estágios, no tempo longe da minha mulher e da minha família. Tudo me passou pela cabeça. É surreal, completamente surreal. É um sentimento indescritível estar de amarelo", disse, visivelmente emocionado.

Froome teve ainda palavras de elogio para o seu rival colombiano, considerando que Quintana tem um grande futuro à sua frente e que, no próximo ano, os dois voltarão a batalhar pela amarela final.

"É jovem, é muito forte física e psicologicamente. Corre no limite, lança os ataques nos momentos exatos", analisou o britânico, de 30 anos.

Apesar de voltar a ser segundo atrás de Froome, como em 2013, o líder da Movistar não está desapontado, por sentir que tudo fez para chegar ao primeiro lugar da geral.

"Hoje, era o último dia para tentar e foi o que fizemos. Dei tudo. Perdi o Tour na primeira semana. Fiquei sozinho contra o vento e perdi um minuto e meio. Isso custou-me o Tour. Estou contente por terminar em segundo", admitiu.

Quintana destacou "a experiência e maturidade" que ganhou nesta Volta a França e assegurou que as duas últimas etapas lhe dão confiança para tentar derrotar Froome no próximo ano.

"Dois anos depois, volto a ser segundo e provo que posso ganhar o Tour. 2013 não foi um acaso", salientou, prometendo que vai continuar a tentar alcançar o seu sonho.

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.