sicnot

Perfil

Desporto

Jovem indiana com hiperandrogenismo autorizada a competir

A velocista indiana Dutee Chand, que se viu envolvida numa polémica sobre género, foi autorizada a competir nos próximos dois anos, por decisão do TAS, hoje anunciada.

AP

O Tribunal Arbitral do Desporto optou por esperar por mais clarificação por parte da IAAF, o organismo mundial do atletismo, em relação ao hiperandrogenismo de Chand, uma atleta de apenas 19 anos.

A campeã indiana de juvenis viu ser-lhe diagnosticado hiperandrogenismo, um distúrbio endócrino que leva à produção anormalmente elevada de testosterona.

Agora, o TAS pretende saber da IAAF se há provas científicas quantificadas que relacionem o aumento de níveis de testosterona e as prestações atléticas em atletas com hiperandrogenismo.

Entretanto, ficou decidido que Dutee Chand pde competir dois anos, tanto a nível nacional como internacional.

Os regulamentos sobre hiperandrogenismo foram criados após o caso de Caster Semenya, a sul-africana que ganhou os 800 metros dos Mundiais de 2009, em Berlim. Numa primeira fase foi banida das competições, para depois ser autorizada a competir de novo, após investigações de género.

Após as alterações regulamentares, a IAAF pretende impedir que entrem em competições mulheres com elevados níveis de testosterona. A opção tem sido criticada, argumentado-se, nomeadamente, que não é clara a relação entre o aumento da testosterona e a melhoria dos resultados atléticos.

A IAAF já reagiu à decisão do TAS e anunciou que vai reunir os seus peritos médicos e os peritos do Comité Olímpico Internacional para saber como lidar com esta decisão.

Relembra, de qualquer maneira, que a sua regulamentação sobre hiperandrogenismo está sustentada por um "forte consenso científico" de que a diferença das prestações desportivas entre mulheres e homens se deve aos níveis de testosterona.

Em condições normais, os níveis nos homens são acima de 10,5 nanomoles por litro e nas mulheres entre 0,1 e 2,8 nanomoles por litro.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.