sicnot

Perfil

Desporto

Duque e Proença disputam liderança da Liga de clubes

Luís Duque, atual presidente, e Pedro Proença, antigo árbitro internacional, disputam hoje a liderança da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), num ato eleitoral que vai decorrer na sede do organismo, no Porto.

ESTELA SILVA

Luís Duque, da lista A, apresenta-se com candidatos a todos os órgãos, com José Mendes a manter-se como candidato à presidência da Mesa da Assembleia-Geral, sendo Carlos Pinto de Carvalho a encabeçar o Conselho Fiscal e Ricardo Guedes Costa o Conselho Jurisdicional.

Por seu turno, Pedro Proença, da lista B, apenas apresentará lista ao Conselho Jurisdicional, liderado por Américo Pires Esteves.

Eleito a 27 de novembro de 2014, para suceder a Mário Figueiredo, Luís Duque ocupava o cargo de presidente há menos de oito meses, mas a alteração de estatutos aprovada a 07 de julho imprimiu mudanças na estrutura da direção do organismo e motivou a realização de eleições.

A nova direção passa incluir um presidente da Liga, cinco vogais em representação dos clubes da I Liga, três vogais em representação dos clubes da II Liga e um membro da direção da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

A Assembleia-Geral ordinária da LPFP, que é composta pelos 37 clubes que disputam a I e II Liga, está agendada para as 14:30.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.