sicnot

Perfil

Desporto

Pedro Proença eleito presidente da Liga por nove votos de diferença

O antigo árbitro internacional Pedro Proença foi esta quarta-feira eleito presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), batendo o antigo líder do organismo Luís Duque por nove votos.

Pedro Proença ganhou a corrida a Luís Duque e vai assumir a presidência da Liga de Clubes.

Pedro Proença ganhou a corrida a Luís Duque e vai assumir a presidência da Liga de Clubes.

Lusa

Pedro Proença, que encabeçava a Lista B, recebeu 32 votos, contra 23 de Luís Duque, recebendo o apoio de 12 dos 18 clubes da I Liga, que tinham direito a dois votos, e oito dos emblemas da II Liga.

Na Lista A, de Luís Duque, que tinha sido eleito a 27 de outubro de 2014, votaram seis clubes do primeiro escalão e 11 do segundo.

Para a Mesa de Assembleia Geral, a Lista A, a única apresentada, recebeu 50 dos 55 votos, com José Mendes a manter-se à frente do órgão, com Carlos de Jesus Pinto de Carvalho a liderar o Conselho Fiscal, depois de ter recebido 48 votos.

No único órgão com duas listas, a eleição para Conselho Jurisdicional foi equilibrado, com a lista apresentada por Proença a receber 29 votos, mais três do que os nomes apresentados por Duque.

Assim, o Conselho Jurisdicional será liderado por Américo Esteves e terá sete elementos de cada uma das listas.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.