sicnot

Perfil

Desporto

Zico pede apoio da Confederação Brasileira para se candidatar à presidência da FIFA

O antigo futebolista Zico enviou uma carta à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a pedir o apoio à sua candidatura à presidência da FIFA, cujas eleições estão marcadas para fevereiro de 2016.

Zico anunciou a 10 de junho o interesse em candidatar-se à presidência da FIFA, para suceder a Joseph Blatter, que se tinha demitido uma semana antes. (Arquivo)

Zico anunciou a 10 de junho o interesse em candidatar-se à presidência da FIFA, para suceder a Joseph Blatter, que se tinha demitido uma semana antes. (Arquivo)

Osama Faisal / AP

O atual treinador do Goa FC, da Índia, precisa do apoio de uma federação nacional para concorrer ao cargo, além de cartas de outras cinco federações.

"Pretendo aguardar uma semana pela resposta da CBF. Ainda não pensei em alternativas", afirmou Zico, citado pelo UOL.

A CBF confirmou ter recebido o pedido do ex-futebolista, mas ainda não o analisou, segundo o portal de notícias UOL.

Zico anunciou a 10 de junho o interesse em candidatar-se à presidência da FIFA, para suceder a Joseph Blatter, que se tinha demitido uma semana antes, na sequência de um escândalo de corrupção que abalou o organismo máximo do futebol.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.