sicnot

Perfil

Desporto

Zico pede apoio da Confederação Brasileira para se candidatar à presidência da FIFA

O antigo futebolista Zico enviou uma carta à Confederação Brasileira de Futebol (CBF) a pedir o apoio à sua candidatura à presidência da FIFA, cujas eleições estão marcadas para fevereiro de 2016.

Zico anunciou a 10 de junho o interesse em candidatar-se à presidência da FIFA, para suceder a Joseph Blatter, que se tinha demitido uma semana antes. (Arquivo)

Zico anunciou a 10 de junho o interesse em candidatar-se à presidência da FIFA, para suceder a Joseph Blatter, que se tinha demitido uma semana antes. (Arquivo)

Osama Faisal / AP

O atual treinador do Goa FC, da Índia, precisa do apoio de uma federação nacional para concorrer ao cargo, além de cartas de outras cinco federações.

"Pretendo aguardar uma semana pela resposta da CBF. Ainda não pensei em alternativas", afirmou Zico, citado pelo UOL.

A CBF confirmou ter recebido o pedido do ex-futebolista, mas ainda não o analisou, segundo o portal de notícias UOL.

Zico anunciou a 10 de junho o interesse em candidatar-se à presidência da FIFA, para suceder a Joseph Blatter, que se tinha demitido uma semana antes, na sequência de um escândalo de corrupção que abalou o organismo máximo do futebol.

Lusa

  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.