sicnot

Perfil

Desporto

Dzemal Hadziabdic abandona Iraque antes de assumir cargo de selecionador

O treinador bósnio Dzemal Hadziabdic abandonou o Iraque, antes de ser apresentado como selecionador de futebol e um dia depois de ter chegado ao país, revelou hoje a federação iraquiana.

© Fadi Al-Assaad / Reuters

O técnico bósnio, de 62 anos, também conhecido como Jamal Haji chegou a Bagdad na sexta-feira, treinou várias equipas no Golfo Pérsico e deveria assinar hoje um contrato com a federação iraquiana de futebol, antes de ser apresentado como selecionador.

"Fomos surpreendidos pela recusa do Jamal Haji, que pediu para regressar ao seu país imediatamente. Tudo estava a correr como planeado, ele assinaria hoje o contrato e depois seria apresentado à comunicação social", explicou o porta-voz da federação iraquiana Kamel Zghayr à agência AFP.

Além disso, estava ainda previsto que o técnico orientasse hoje um treino, antes de iniciar um estágio de dez dias no Qatar.

Na sexta-feira, quando chegou a Bagdad, Haji, que orientou a seleção da Jugoslávia entre 1974 e 1978, expressou o seu entusiasmo com a oportunidade de ser o novo selecionador do Iraque, em declarações à imprensa local.

Lusa

  • Segurança da Academia de Alcochete avisado 10 minutos antes do ataque
    1:57
  • "Não acho que seja prudente" o regresso dos atletas à Academia do Sporting
    5:49

    Crise no Sporting

    As agressões aos jogadores e equipa técnica do Sporting, na Academia de Alcochete, foram o tema de uma entrevista a Ana Bispo Ramires, psicologa do desporto. Questionada sobre se os jogadores deveriam regressar ou não à academia, Ana Bispo Ramires diz que não devem fazê-lo e explica que é importante que haja medidas de atuação, o mais rápido possível, para que os atletas e restante equipa técnica do clube possam reprocessar, do ponto de vista cognitivo, as ameaças que sofreram. 

  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC