sicnot

Perfil

Desporto

Amnistia responsabiliza polícia brasileira por 1.500 mortes a um ano dos Jogos Olímpicos

A Amnistia Internacional responsabilizou hoje a polícia brasileira pela morte de mais de 1.500 pessoas, nos últimos cinco anos, no Rio de Janeiro, cidade que será palco dos próximos Jogos Olímpicos, em 2016.

Em relatório hoje divulgado -- intitulado "Mataste o meu filho: Homicídios cometidos pela polícia militar na cidade do Rio de Janeiro" -, a organização internacional de defesa dos direitos do homem aponta o uso desproporcionado da força, execuções sumárias apresentadas como atos de legítima defesa.

De acordo com a AI, nos últimos cinco anos foram mortas 1.519 pessoas em resultado da ação policial, 16% do total de mortes violentas registadas na cidade.

O documento reconhece, ainda assim, que por vezes, nomeadamente quando as mortes resultam de tiroteio entre polícia e traficantes, é difícil estabelecer responsabilidades precisas.

A Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro anunciou, entretanto, que a segurança dos Jogos Olímpicos de 2016 será feita por mais de 85 mil homens.

A um ano do início dos Jogos, os agentes estão a ser treinados para o evento, incluindo agentes de segurança, de defesa civil e ordenamento e das Forças Armadas.

À semelhança do que aconteceu no Mundial de futebol de 2014, a Polícia Federal, os ministérios da Justiça e da Defesa, as polícias civil e militar, a Agência Brasileira de Inteligência e as Forças Armadas atuarão de forma integrada, divulgaram as autoridades.

A abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro está agendada para 05 de agosto, no estádio do Maracanã.

Lusa

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.