sicnot

Perfil

Desporto

Fiorentina de Paulo Sousa vence Chelsea de Mourinho por 1-0 em Stamford Bridge

A Fiorentina de Paulo Sousa terminou hoje a International Champions Cup América do Norte com triunfo sobre o Chelsea de José Mourinho por 1-0, em pleno recinto dos 'blues', em Londres.

© Reuters Staff / Reuters

Uma recarga oportuna do 'capitão' e defesa central argentino Gonzalo Rodríguez, aos 34 minutos, valeu aos transalpinos um êxito surpreendente sobre o campeão inglês, em sua própria casa.

A vitória da Fiorentina, que minutos antes do único golo já tinha enviado uma bola à trave, mostrou algumas debilidades do Chelsea, que no domingo perdeu a Supertaça de Inglaterra frente ao Arsenal, no que foi o primeiro triunfo de Arsene Wenger em 14 jogos frente a Mourinho.

A Fiorentina, que já tinha vencido o Barcelona (sem Messi e Neymar), termina a competição em quarto lugar, com oito pontos, menos um do que Manchester United e dois do que o Paris Saint-Germain e o New York Red Bulls.

O Chelsea ficou em oitavo entre 10 equipas, com quatro pontos, apenas mais um do que Benfica, nono, enquanto o San Jose Earthquakes foi o único a não pontuar.

A equipa de José Mourinho absteve-se de disputar o desafio com máxima intensidade, uma vez que se estreia na Liga inglesa este fim de semana com jogo frente ao Swansea.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.