sicnot

Perfil

Desporto

Sousa Cintra lembra Jorge Gonçalves como um "grande sportinguista"

O antigo presidente do Sporting Sousa Cintra afirmou esta quarta-feira que Jorge Gonçalves, encontrado morto na terça-feira em Angola, foi um "grande sportinguista", que deixou "marca" quando liderou o clube cerca de um ano, entre 1988 e 1989.

O 'bigodes', como ficou conhecido, venceu, com 62,7 por cento dos votos, uma das eleições mais concorridas da história do Sporting, a 24 de junho de 1988, apostando na campanha das "unhas do leão", os reforços que garantiria trazer. (Arquivo)

O 'bigodes', como ficou conhecido, venceu, com 62,7 por cento dos votos, uma das eleições mais concorridas da história do Sporting, a 24 de junho de 1988, apostando na campanha das "unhas do leão", os reforços que garantiria trazer. (Arquivo)

SIC

"Foi uma grande sportinguista que agora parte, parte muito novo, em circunstâncias um bocado tristes. É a perda de um sportinguista que deixou marca no clube e que é recordado por todos", afirmou Sousa Cintra à agência Lusa.

Jorge Gonçalves chegou à presidência do Sporting em 1988 como uma "lufada de ar fresco" para um clube que ansiava por uma mudança de rumo, mas as muitas promessas acabaram por se esgotar em apenas um ano.

O 'bigodes', como ficou conhecido, venceu, com 62,7 por cento dos votos, uma das eleições mais concorridas da história do Sporting, a 24 de junho de 1988, apostando na campanha das "unhas do leão", os reforços que garantiria trazer.

Antigo campeão de vela e despachante alfandegário, Jorge Gonçalves surgiu no universo 'leonino' quando prometeu assumir a compra do passe do holandês Frank Rijkaard, mas o envolvimento da direção de Amado de Freitas, presidente na altura, acabou por fazer gorar o negócio.

Rijkaard, que chegou a surgir em Alvalade ao lado de Jorge Gonçalves, não foi inscrito a tempo e acabou por ser emprestado ao Saragoça, antes de ser vendido ao AC Milan, perante o desagrado do empresário, que acabaria por se candidatar à presidência.

Por falta de quórum, a direção de Jorge Gonçalves acabaria por ser dissolvida a 18 de maio de 1989 pelo presidente da Assembleia Geral do Sporting, Sérgio Abrantes Mendes.

O 'bigodes' ainda se candidatou às eleições de junho desse ano, frente a Sousa Cintra, mas conseguiu pouco mais de 10 por cento dos votos.

Pouco tempo depois, Jorge Gonçalves acabaria por ser detido pela Polícia Judiciária, por vários processos relacionados com dívidas, mas nunca chegou a ir a julgamento, porque, mal foi libertado, fugiu para Angola, de onde era natural.

Na terça-feira foi encontrado morto num 'resort' em Angola, aos 67 anos.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.