sicnot

Perfil

Desporto

Arquitetos inspirados no futebol americano e no Bayern para criar balneário do FC Porto

Uma dupla de arquitetos portugueses inspirou-se nos clubes de futebol americano e no Bayern de Munique para projetar o luxuoso balneário do FC Porto, no Estádio do Dragão, que pediu instalações de topo mundial.

Estádio do Dragão (Arquivo)

Estádio do Dragão (Arquivo)

PAULO DUARTE / AP

Sediada na baixa do Porto, a BKX Arquitectos quis corresponder a um "desafio aliciante e repleto de dificuldades" e dar resposta aos anseios da SAD portista de "continuar a ser um dos oito melhores clubes da Europa a diversos níveis", disse à Lusa Luís Cardoso, um dos sócios da empresa - o outro é Arménio Teixeira - criada em 2005.

Discípulos de dois dos maiores nomes da arquitetura nacional, Adalberto Dias e Siza Vieira, a missão que no início de junho nasceu de um convite de Hélder Gomes, diretor de "branding" da FC Porto SAD, tinha um só propósito: "fazer do balneário do FC Porto um dos melhores da Europa", frisou Luís Cardoso.

Percebido o conceito e as premissas, a pesquisa atravessou o oceano Atlântico e foi beber inspiração aos "balneários fantásticos dos clubes do futebol americano", mas não só, já que a SAD tinha outra referência, em particular o balneário do Bayern, no Arena de Munique.

Assim, em dois meses, derrubaram e reergueram noutra dimensão 300 metros quadrados do "estádio, promovendo ao mesmo tempo uma mudança do paradigma do clube que, uma vez a obra feita, passou a permitir aos visitantes do estádio a passagem por um "lugar sacrossanto até então era inacessível, como forma de motivar ainda mais os adeptos", explicou o arquiteto.

E num redimensionamento que "criou novos espaços para jogadores, treinadores, equipa médica, adjuntos e rouparia" houve, segundo Luís Cardoso que "sacrificar algo, desaparecendo a sala José Mourinho", criada após o clube ter sido campeão europeu, em 2004.

Sempre segundo as recomendações da SAD e procurando seguir as premissas da UEFA/Liga dos Clubes, a BKX criou também "um balneário de luxo para os árbitros, até então confinados a uma área exígua, face às equipas agora de cinco elementos".

Houve também espaço para a inovação através de ideias próprias da dupla de arquitetos, uma de cariz prático e outra de espetacularidade.

Segundo Luís Cardoso, no primeiro dos casos, "foi criado um sistema giratório nos lugares dos atletas que, com apenas um toque, faz rodar o cacifo e, assim preservar os pertences dos jogadores durante as visitas ao estádio".

Já o segundo, inspirado no balneário dos ingleses do Manchester United e de algumas equipas de basquetebol e de futebol norte-americano, usa a "tecnologia de iluminação LED para, a partir dos lugares dos jogadores, projetar a partir do solo linhas de luz que terminam no teto, onde surge recortado o emblema do FC Porto".

Autores de trabalhos, como colaboradores de Álvaro Siza Vieira, em zonas tão distintas como a igreja do Marco de Canavezes, cais de embarque de Salónica, na Grécia, ou no Museu de Arte Contemporânea, em Santiago de Compostela, em Espanha, a empresa nortenha que luta para combater a crise que se vive no setor "fez mais em dois meses, na obra no Dragão, do que no último ano e meio". "Foi um trabalho fantástico, com uma equipa extremamente profissional, feito a uma velocidade enorme", sublinhou Luís Cardoso.

Lusa

  • Aviação russa matou mais de 11 mil pessoas na Síria

    Mundo

    Pelo menos 11.612 pessoas morreram na Síria em resultado dos bombardeamentos da aviação russa, aliada do Governo de Damasco, iniciados em 30 de setembro de 2015, de acordo com dados publicados hoje pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

  • Mais de 500 casos de sarampo na Europa este ano, avisa OMS

    Mundo

    Mais de 500 casos de sarampo foram reportados só este ano na Europa, afetando pelo menos sete países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em Portugal, a OMS reconheceu oficialmente a eliminação do vírus do sarampo no verão do ano passado.