sicnot

Perfil

Desporto

Bilhetes para o Arouca-Benfica começaram a ser vendidos hoje

Os bilhetes para o jogo entre Arouca e Benfica, da segunda jornada da I Liga de futebol, a 23 de agosto, começaram a ser vendidos hoje, com muitos adeptos a chegarem cedo às bilheteiras para adquirirem os ingressos.

A primeira informação era que os bilhetes para o Arouca-Benfica seriam colocados à venda na quinta-feira. Depois, o clube alterou a data para segunda-feira, dia 17, mas na noite de quinta-feira, na página oficial do facebook, o Arouca comunicou que os bilhetes seriam vendidos a partir de hoje, em Arouca, e a partir de segunda-feira em Aveiro, onde se disputará o jogo, no estádio municipal.

Apesar da bilheteira só abrir às 10:00, Rosa Fernandes, Daniel e Nélson Oliveira chegaram às 08:30. Foram os primeiros a chegar, com os portões ainda fechados, cruzando-se com os jogadores do Arouca que chegavam para o treino.

"Soubemos pelo facebook. Tive sorte de estar no facebook na altura certa e vi a informação do clube. Sabemos que só abre às 10:00, mas quisemos ter a certeza de arranjar bilhetes", contou Rosa à agência Lusa.

Já Daniel Oliveira, que soube da informação por intermédio da rede social, mostrou-se seguro de que o Estádio Municipal de Aveiro vai encher para o jogo.

Os três amigos são benfiquistas, e naturais de Vale de Cambra, concelho vizinho de Arouca, mas mostram ser já apoiantes do clube 'canarinho'.

"Ter o Arouca na I Liga traz-nos vantagens. São os únicos jogos que nós vemos no estádio. Torço pelo Benfica, mas também gosto quando o Arouca ganha", confessa Nélson Oliveira.

A prova de que começam a vincular-se afetivamente ao Arouca disso é que chegam mesmo a acompanhar o clube nas deslocações fora. "Já vimos o Arouca-Sporting e também já fomos ver o Arouca a Paços de Ferreira", explica Rosa.

A presença de adeptos ao portão do estádio motivou mesmo a abertura antecipada da bilheteira, por volta das 09:30. A corrida aos ingressos ainda não gerou filas, mas tem tido uma procura constante nas primeiras horas da manhã, sendo de esperar que se mantenha assim ao longo dos próximos dias.

Até segunda-feira, a venda é feita exclusivamente no Estádio Municipal de Arouca, entre as 10:00 e as 18:00, e a partir da próxima semana é também feita no Estádio Municipal de Aveiro.

Os sócios do Arouca pagam 5 euros, sócios cativos têm entrada gratuita, e todos os outros bilhetes custam entre 15 e 25 euros. O estádio Municipal de Aveiro tem capacidade para 30 mil pessoas e 16 mil lugares já estão requisitados pelo Benfica.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.