sicnot

Perfil

Desporto

Autor do logótipo dos JO Tóquio 2020 pede desculpa por nova polémica de plágio

O autor do logótipo dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, Kenjiro Sano, que enfrenta uma acusação de plágio por esse trabalho, pediu desculpa na sexta-feira por nova polémica, agora numa campanha publicitária a uma cerveja sem álcool.

© Yuya Shino / Reuters

Em causa está uma série de imagens da campanha que a MR Design, empresa de Kenjiro Sano, pediu à marca que comercializa a bebida para serem retiradas.

"Uma investigação interna revelou que tínhamos utilizado parcialmente criações concebidas por terceiros para algumas das nossas criações. Sinto muito por ter causado tantos problemas a todos os interessados. Estou consciente das graves consequências das minhas ações", explicou Sano em comunicado.

Esta nova polémica surge pouco tempo depois de Kenjiro Sano e da sua empresa terem sido acusados de plágio no logótipo dos Jogos Olímpicos Tóquio2020.

No início de agosto, o designer belga Olivier Debie processou o Comité Olímpico Internacional (COI) para tentar impedir a utilização do logótipo dos Jogos Tóquio2020, por entender que este é um plágio de uma obra sua.

Debie alega que o logótipo de Tóquio2020, revelado em julho, é muito idêntico a um que desenhou para o Teatro de Liége.

No entanto, neste caso, e na sequência da polémica gerada pelas declarações de Olivier Debie, Kenjiro Sano garantiu que o desenho é uma obra sua.

"O desenho nasceu da minha imaginação, é uma obra da minha autoria", disse, considerando que as acusações de plágio são "tristes e infelizes".

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.