sicnot

Perfil

Desporto

Sul-coreano Chung Mong-Joon formaliza corrida à presidência da FIFA

O sul-coreano Chung Mong-Joon formalizou hoje a sua candidatura à presidência da FIFA, com críticas ao presidente cessante, Joseph Blatter, e a promessa de reformar nos próximos quatro anos organismo, abalado por escândalos.

© Kim Hong-Ji / Reuters


"Hoje a FIFA atravessa uma crise profunda. Neste contexto o presidente da FIFA deve ser um gestor de crises e um reformador", disse Mong-Joon, antigo vice-presidente da FIFA e proprietário da Hyundai.

O milionário, de 63 anos, falou em conferência de imprensa em Paris, salientando que a FIFA está atolada em corrupção e que tudo o que interessa ao poder instalado é esconder essa corrupção.

"O verdadeiro motivo pelo qual a FIFA se tornou uma organização corrupta tem a ver com o facto de a mesma pessoa [Blatter] estar lá há 40 anos. O poder absoluto corrompe tudo", afirmou.

Chung Mong-Joon prometeu ainda que caso seja eleito só cumprirá um mandato à frente da FIFA, considerando que bastam quatro anos para mudar o organismo.

O presidente da UEFA, Michel Platini, e o antigo internacional brasileiro Zico já anunciaram também que são candidatos a liderar o organismo.

O príncipe jordano Ali bin Al Hussein, antigo vice-presidente da FIFA, ainda considera a possibilidade de concorrer às eleições de 26 de fevereiro de 2016.

No anúncio de hoje Mong-Joon considerou que Platini não será um bom candidato, lembrando as relações que manteve com Blatter, chegando a ser um protegido do suíço, embora tenha salientado ser amigo do ex-internacional francês.

Lusa


"Hoje a FIFA atravessa uma crise profunda. Neste contexto o presidente da FIFA deve ser um gestor de crises e um reformador", disse Mong-Joon, antigo vice-presidente da FIFA e proprietário da Hyundai.

O milionário, de 63 anos, falou em conferência de imprensa em Paris, salientando que a FIFA está atolada em corrupção e que tudo o que interessa ao poder instalado é esconder essa corrupção.

"O verdadeiro motivo pelo qual a FIFA se tornou uma organização corrupta tem a ver com o facto de a mesma pessoa [Blatter] estar lá há 40 anos. O poder absoluto corrompe tudo", afirmou.

Chung Mong-Joon prometeu ainda que caso seja eleito só cumprirá um mandato à frente da FIFA, considerando que bastam quatro anos para mudar o organismo.

O presidente da UEFA, Michel Platini, e o antigo internacional brasileiro Zico já anunciaram também que são candidatos a liderar o organismo.

O príncipe jordano Ali bin Al Hussein, antigo vice-presidente da FIFA, ainda considera a possibilidade de concorrer às eleições de 26 de fevereiro de 2016.

No anúncio de hoje Mong-Joon considerou que Platini não será um bom candidato, lembrando as relações que manteve com Blatter, chegando a ser um protegido do suíço, embora tenha salientado ser amigo do ex-internacional francês.

Lusa

  • PSOE apresenta moção de censura contra Mariano Rajoy

    Mundo

    O PSOE apresenta hoje uma moção de censura contra o presidente do governo, Mariano Rajoy. A notícia está a ser avançada pelos meios de comunicação social espanhóis. Em causa está a condenação judicial de vários dirigentes do Partido Popular no caso de corrupção, conhecido como "Gurtel".

  • Assembleia-geral do Sporting marcada para 23 de junho
    2:57
  • Congresso do PS começa hoje na Batalha

    País

    O 22.º Congresso do PS começa hoje, na Batalha, distrito de Leiria, e durante o qual o secretário-geral, António Costa, deverá defender uma linha de continuidade estratégica, procurando, em simultâneo, projetar desafios estruturais que se colocam ao país.

  • Pelo menos 50 mortos em naufrágio na RD Congo

    Mundo

    Cinquenta corpos foram resgatados depois que um barco ter naufragado num rio no noroeste da República Democrática do Congo (RDCongo) na quarta-feira, de acordo com um relatório oficial entregue hoje à Agência France Presse (AFP).

  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC