sicnot

Perfil

Desporto

Maradona pede desculpa ao árbitro que validou golo com a mão no Mundial 86

O antigo futebolista argentino Diego Maradona pediu desculpa na segunda-feira ao árbitro tunisino Ali Bennaceur pelo golo marcado com a mão frente à Inglaterra, nos quartos de final do Mundial 1986.

© Marcos Brindicci / Reuters

Durante uma visita a Tunes, onde vai filmar um anúncio publicitário, o antigo astro encontrou-se com Ali Bennaceur, que dirigiu o encontro em que Maradona marcou dois golos, um que ficou conhecido com a "mão de Deus", marcado com a mão, e outro depois de ultrapassar vários jogadores ingleses.

O antigo árbitro internacional tunisino, que não viu a ação irregular de Maradona, recebeu o argentino na sua casa, 29 anos depois do encontro realizado no Estádio Azteca, na Cidade do México.

"Apresento-te as minhas desculpas, senhor Bennaceur, pelo golo que marquei graças à mão de Deus", disse Maradona, durante o encontro.

Na sua página oficial no Facebook, Maradona sublinhou o "encontro emocional" com o antigo juiz, a quem ofereceu uma camisola da seleção argentina e uma fotografia dos cumprimentos anteriores a esse encontro, com a dedicatória: "Para o Ali, meu amigo eterno".

Em 1986, após o encontro, o antigo 'capitão' da seleção argentina disse que o primeiro golo tinha sido marcado "um pouco com a cabeça de Maradona e um pouco com a mão de Deus".

Lusa

  • Condutora que atropelou peregrinos "internada compulsivamente"

    País

    A condutora do veículo que hoje atropelou seis peregrinos na Estrada Nacional 365, em Alcanena, apresentava problemas do foro psicológico e teve de ser internada compulsivamente. O atropelamento esta madrugada fez uma vítima mortal, um homem, e feriu cinco pessoas, uma das quais em estado grave.

  • Maduro deve ser reeleito em eleições contestadas pela oposição
    1:46

    Mundo

    Os venezuelanos elegem hoje o Presidente que deverá estar à frente do país até 2025. Há quatro candidatos, mas Nicolás Maduro é o favorito na corrida. A oposição apelou ao boicote e vários países da América e das Caraíbas, os EUA e a UE já avisaram que não reconhecerão resultados de uma eleição que não é livre nem transparente.

  • A solução de Elon Musk para os engarrafamentos em Los Angeles
    1:23