sicnot

Perfil

Desporto

Seleção portuguesa reduzida nos Mundiais de atletismo

Portugal apresenta-se nos Campeonatos do Mundo de atletismo de Pequim com apenas 16 atletas, uma das mais pequenas delegações de sempre, e sem nenhum claro candidato a uma conquista de medalha.

© Dominic Ebenbichler / Reuters

O panorama do atletismo luso continua a não ser brilhante, mesmo tendo em conta que face a Moscovo2013 há uma subida do número de atletas (de 12 para 16), já que em 32 anos de Mundiais apenas por quatro vezes o país se apresentou com menos de 20 unidades: aconteceu no ano de estreia, 1983 (11), 2003 (14), há dois anos e agora.

Nos Mundiais, que se iniciam sábado e se prolongam até ao dia 30, Portugal 'arrisca-se' mesmo a chegar a um histórico período de três edições sem medalhas - o que nunca aconteceu - se nenhum português sair do 'Ninho de Passáro' de Pequim com ouro, prata ou bronze.

Sem nenhum atleta no 'top-5' entre os inscritos, atendendo à marca da época, os melhores portugueses, com alguma possibilidade de serem 'outsiders' para o pódio, são Nelson Évora (nono no triplo), Sara Moreira (oitava nos 10.000 metros) e Ana Cabecinha (sétima nos 20 km marcha).

Foram eles que, justamente, o presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, Jorge Vieira, apontou, no momento de partida para a China, como "possíveis candidatos a medalhas", se as provas lhes correrem de feição.

Ainda no 'top-10' estão Tsanko Arnaudov (nono no peso), Vera Santos (10.ª nos 20 km marcha) e Patrícia Mamona e Susana Costa (igualadas em nono no triplo), enquanto os restantes nove lusos entram com uma marca abaixo do lugar 10, com ambições mais moderadas.

Melhorar a participação de Moscovo2013 parece acessível, já que os resultados na capital russa foram globalmente os piores de sempre - dois lugares de finalista (João Vieira em quarto e Ana Cabecinha em oitava, nos 20 km marcha) e apenas seis atletas até ao 16.º.

Nelson Évora é a primeira figura da seleção, de novo. Aos 31 anos, o campeão olímpico de 2008 e mundial de 2007 voltou a estar a muito bom nível e chega a Pequim como campeão europeu de pista coberta.

No entanto, com dois atletas para lá dos 18 metros esta época (o cubano Pedro Pablo Pichardo e o norte-americano Christian Taylor, atual campeão), o seu limite parece estar reduzido ao possível bronze.

Entre 17,53 metros e 17,18 estarão em contenda oito atletas, entre os quais o português, que este ano ultrapassou 17,24, no meeting de Lausana, na Suíça.

Ana Cabecinha tem sido de uma constância impressionante desde os Jogos Olímpicos de 2008, sempre com classificações entre o sexto lugar e o nono.

Mesmo sem a presença das russas, 'varridas' das listas por causa dos escândalos que afetaram a imagem do centro russo da marcha atlética, a atleta do Pechão sabe que terá pela frente três muito motivadas chinesas (entre as quais a Liu Hong, a melhor do ano) e ainda as sempre competitivas italianas, este ano também em grande.

Quanto a Sara Moreira, aparece como a primeira 'outsider' ao poderio das fundistas do Quénia, da Etiópia e dos Estados Unidos. A portuguesa está em forma e é uma terminadora de bom nível, mas o favoritismo vai para as quenianas Sally Kypiego e Vivian Cheruyot e para a etíope Gelete Burka.

No triplo salto, Susana Costa e Patrícia Mamona, esta época 'irmanadas' na marca, são igualmente apostas para um lugar no top-8 e até ao 16.º da listagem final podem entrar, igualmente, Dulce Félix (10.000 metros), Irina Rodrigues (disco), Inês Henriques e Vera Santos (20 km marcha) e Tsanko Arnaudov (peso).

Mais abaixo dessa marca devem ficar Yazaldes Nascimento (100 metros), Hélio Gomes (1.500 metros), Filomena Costa (maratona), Pedro Isidro (20 km marcha) e os gémeos João e Sérgio Vieira (20 km marcha).

João Vieira foi o melhor dos portugueses há dois anos na Rússia, com o quarto lugar alcançado. Esta época, já com 39 anos (é o decano da equipa, a par do seu irmão Sérgio), decididamente não pode aspirar a um lugar entre os melhores, nomeadamente porque passou por paragem por lesão e tem a 37.ª marca entre os inscritos.

A seis meses dos 40 anos, João Vieira atinge em Pequim uma histórica nona presença em Mundiais de atletismo, reforçando-se como segundo português de sempre, mas ainda a duas presenças de Susana Feitor.

A marchadora, que até tinha mínimos para a prova dos 20 km, é uma das grandes ausências lusas na seleção: está 'tapada' pelas mais novas Ana Cabecinha, Vera Santos e Inês Henriques. Face ao último Mundial, realce ainda para a não presença de Marco Fortes (peso), Edi Maia (vara) e Marcos Chuva (comprimento), atletas que tentaram mínimos até ao último dia.

Uma nota final para a crescente 'veterania' da seleção portuguesa, com 13 atletas entre os 29 e os 39 anos. Muitos não deverão estar a este nível, dentro de dois anos. As exceções são Tsanko Arnaudov (23 anos), Irina Rodrigues (24) e Patrícia Mamona (26).

Lusa

  • Tudo isto circula na internet. Nada disto é verdade
    3:12
  • Peso dos salários na economia diminuiu
    2:34

    Economia

    Portugal é dos países onde o peso dos salários na economia mais diminuiu. Ou seja, os salários portugueses foram dos mais encolheram com a crise. A conclusão é da Organização Internacional do Trabalho que sublinha as implicações negativas ao nível social e económico.

  • Presidente do Montepio tranquiliza clientes do banco
    1:58

    Economia

    O presidente do Montepio garante que os clientes do banco podem estar seguros e reafirma que a instituição não tem qualquer exposição à Associação Mutualista. No programa da SIC Notícias Negócios da Semana, José Félix Morgado assumiu que é preciso separar ainda mais as duas instituições.

  • Inaugurado Ikea de Loulé
    3:51

    Economia

    Centenas de pessoas aguardavam à porta do Ikea de Loulé para a inauguração da nova loja no Algarve, uma semana depois do acidente que matou uma trabalhadora. A cerimónia decorreu de forma sóbria, ainda que com alguma pompa e circunstância.

  • Descoberta nova espécie de tiranossauro

    Mundo

    Uma nova espécie de dinossauros predadores, um tiranossauro com uma forma incomum de evolução, foi descoberta por uma equipa internacional de cientistas, segundo um artigo científico hoje publicado pela revista Nature.