sicnot

Perfil

Desporto

Hamilton vence, mas diz que "ainda é cedo" para falar no título de Fórmula 1

O campeão mundial Lewis Hamilton (Mercedes) alcançou hoje no circuito de Spa-Francorchamps a sua 39.ª vitória na Fórmula 1, sexta da época, impondo-se com tranquilidade no Grande Prémio da Bélgica, 11.ª prova do Mundial.

© Yves Herman / Reuters

Hamilton, que no sábado tinha garantido a 10.ª 'pole' da temporada, comandou a prova com tranquilidade desde o início, completando as 43 voltas ao circuito belga em 1:23.40,887 horas, e consolidando a liderança do mundial de pilotos.

O alemão Nico Rosberg terminou na segunda posição, a 2.058 segundos de Hamilton, permitindo uma "dobradinha" da Mercedes.

A oito provas do final do campeonato e com mais 28 pontos do que Rosberg, que é segundo do Mundial de pilotos, o britânico, que já tinha vencido na Bélgica em 2010 com a McLaren, considera que ainda é cedo para falar no título.

"Ainda é muito cedo para falar disso [do título mundial]. A chave para o sucesso é ir transformando poles em vitórias. Foi isso que aconteceu aqui", disse o britânico, que conquistou o seu primeiro título mundial em 2008.

Hamilton garantiu ter vivido um fim de semana bastante positivo e admitiu ter reduzido a velocidade quando viu rebentar um pneu de Sebastian Vettel (Ferrari), que "empurrou" o alemão para o 12.º lugar da classificação.

"Foi um fim de semana fantástico. Quando vi um dos pneus dos outros carros rebentar, fui muito cauteloso", disse, admitindo que isso permitiu a aproximação do seu colega de equipa.

Rosberg considerou que Hamilton foi "um justo vencedor" e reconheceu ter "errado no início da prova".

O francês Romain Grosjean (Lotus) terminou a prova na terceira posição, a 37,988 segundos de Hamilton, depois de ter largado da oitava posição da grelha.

Grosjean, que conseguiu o primeiro pódio do ano, foi ganhando posições e entrou na penúltima volta no quarto posto, atrás de Vettel.

O alemão foi obrigado a reduzir drasticamente a velocidade depois do rebentamento de um pneu, permitindo a subida do piloto da Lotus ao pódio.

O russo Daniil Kvyat (Renault) terminou em quarto, seguido por Sergio Pérez (Force India) e pelo brasileiro Filipe Massa (Wlliams).

Após 11 corridas, a Mercedes lidera a classificação de construtores, com 426, seguida de Ferrari e Williams, com 242 e 161, respetivamente.

A próxima prova do Mundial de Fórmula 1, o Grande Prémio de Itália, disputa-se a 06 de setembro, no circuito de Monza.

Lusa

  • Centro comercial em Manchester evacuado

    Mundo

    Um centro comercial foi evacuado esta manhã, no centro de Manchester. Testemunhas dizem ter ouvido um "grande estrondo". O incidente acontece horas depois do ataque na Manchester Arena, no final da atuação da cantora Ariana Grande, no qual morreram pelo menos 22 pessoas. O espaço comercial em Manchester foi entretanto reaberto. A polícia começou a retirar o cordão de segurança, pouco tempo depois de ser dado o alerta. Uma pessoa foi detida.

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.