sicnot

Perfil

Desporto

Presidente da comissão de reformas da FIFA diz que Blatter está a ser injustiçado

O advogado suíço François Carrard, que preside à comissão de reformas da FIFA desde julho, afirmou que o presidente do organismo que rege o futebol mundial, o seu compatriota Joseph Blatter, está a ser "tratado injustamente".

Tsafrir Abayov

"Há qualquer coisa de injusta na forma como ele [Blatter] é tratado. Eu digo-o com total independência. Ele está a ser queimado. Terá, certamente, cometido erros, mas também fez coisas positivas", afirmou Carrard, em entrevista ao jornal suíço Le Matin Dimanche.

Carrard lidera a comissão de reformas da FIFA, para a qual foi designado a 20 de julho pelo presidente demissionário do organismo, tendo como 'missão' apresentar propostas ao congresso eletivo extraordinário de 26 de fevereiro de 2016, em Zurique.

"Se falamos de corrupção...Eu tenho todos os processos norte-americanos. Na acusação, não há uma palavra contra ele. Nada", referiu Carrard, considerando que Blatter é "um homem tratado injustamente".

O causídico helvético acrescentou que "não é realista" imaginar uma refundação da FIFA, a partir do zero.

"Eu sou um homem do desporto internacional que pretende que as organizações sejam bem geridas. Não tenho qualquer intenção de colocar uma bomba, mas sim quero desarmá-la", rematou Carrard.

A FIFA foi atingida no final de maio por um escândalo de corrupção que levou Joseph Blatter a apresentar a demissão.

O escândalo rebentou quando, a 27 de maio, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos indiciou nove dirigentes ou ex-dirigentes e cinco parceiros da FIFA, acusando-os de associação criminosa e corrupção nos últimos 24 anos, num caso em que estarão em causa subornos no valor de 151 milhões de dólares (quase 140 milhões de euros).

A acusação surgiu depois de o Ministério da Justiça e a polícia da Suíça terem detido sete membros da FIFA, num hotel de Zurique.

Dois dias depois, apesar do escândalo, Joseph Blatter, de 79 anos, foi reeleito para um quinto mandato à frente do organismo, mas acabou por se demitir.

Lusa

  • 2,1%. As reações ao défice de 2016

    Economia

    O défice orçamental ficou mesmo nos 2,1% do PIB. Os partidos já reagiram àquele que é o valor mais baixo em democracia.

  • Comboios Alfa vão ter bancos com tomadas elétricas e wi-fi
    2:06
  • Novas imagens dos momentos após Khalid Masood ter embatido no muro do Parlamento britânico
    1:35
  • Nus e acorrentados em frente a Auschwitz

    Mundo

    Catorze pessoas com idades entre os 20 e os 27 anos despiram-se e acorrentaram-se em frente ao portão de Auschwitz, antigo campo de concetração nazi na Polónia, depois de terem degolado um carneiro. Ninguém sabe ainda porquê.

  • A coleção de gerigonças de Ana Catarina Mendes
    1:51
  • Parlamento português pede demissão de Dijsselbloem

    País

    A Assembleia da República foi hoje unânime na condenação das polémicas declarações do presidente do Eurogrupo, mas recusou um ponto pela rejeição de diversos compromissos com a União Europeia (UE) exigida pelo PCP.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33
  • Viaduto de Alcântara condicionado
    1:36

    País

    O viaduto de Alcântara, em Lisboa, continua com o trânsito condicionado mas apenas sobre o tabuleiro e no sentido Alcântara Terra - Alcântara Mar. A circulação só será reposta depois de uma nova vistoria, ainda sem data marcada.

  • Como se resolve a falta de espaço numa cidade chinesa?
    1:07