sicnot

Perfil

Desporto

Hoje é dia de ver Nelson Évora lutar por medalha nos mundiais

Nelson Évora disputa hoje a final do triplo salto dos Mundiais de atletismo, em Pequim, no mesmo local onde há sete anos conquistou a medalha de ouro olímpica.

© Dominic Ebenbichler / Reuters

O português não é apontado como candidato aos dois primeiros lugares - tal é a vantagem do cubano Pichardo e do norte-americano Taylor - mas na luta para o terceiro lugar há que contar com ele, como provou nas qualificações de quarta-feira.

Évora - este ano campeão da Europa ''indoor'' - aparece na final, que começa às 12:10 de Lisboa, com a sexta marca do ano entre os participantes, 17,24, não muito distante do norte-americano Omar Craddock (17,53 e dos russos Lyukman Adams (17,34, campeão do mundo em pista coberta) e Dimitry Sorokin (17,29).

O cubano Pedro Pablo Pichardo (18,08) e o norte-americano Christian Taylor (18,06) parecem de facto 'inacessíveis', prometendo uma luta inédita em Mundiais, já que nunca antes houve dois triplo saltadores para lá dos 18 metros, em simultâneo.

Na final dos 200 metros masculinos voltam a encontrar-se o jamaicano Usain Bolt e o norte-americano Justin Gatlin, respetivamente primeiro e segundo nos 100 metros, em Pequim.

Esta época, Gatlin está muito à frente, com 19,57 segundos, e Bolt, campeão em título, tem mesmo um tempo menos bom que o panamiano Alonso Edward.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.