sicnot

Perfil

Desporto

Portugal tenta primeira vitória sobre a França em mais de 40 anos

A seleção portuguesa de futebol continua hoje a preparar o duplo confronto com França e Albânia, com nova sessão de treino, desta vez no Estádio José Alvalade, palco do duelo particular de sexta-feira com os gauleses.

Treino da seleção portuguesa em março de 2015

Treino da seleção portuguesa em março de 2015

arquivo reuters

Depois de ter trabalhado nos dois primeiros dias no Estádio António Coimbra da Mota, no Estoril, Portugal treina no relvado de Alvalade, num apronto em que o selecionador Fernando Santos deverá ter voltar a ter disponíveis os 23 convocados.

No arranque da 'operação França e Albânia', na segunda-feira, João Moutinho foi dispensado, enquanto Bruno Alves apresentou-se com algumas limitações, mas no dia seguinte já apareceu integrado com os restantes companheiros de seleção.

O treino no Estádio José Alvalade está agendado para as 10:00, com os primeiros 15 minutos a serem abertos à comunicação social.

Após a sessão, dois jogadores estarão disponíveis a falar aos jornalistas, em conferência de imprensa.

Portugal defronta a França, na sexta-feira, no Estádio José Alvalade, num encontro particular, e, três dias depois, a Albânia, em Elbasan, em jogo do Grupo I de qualificação para o Europeu de 2016.

40 anos sem vitórias

A seleção perdeu os últimos nove jogos com a sua congénere de França e só venceu cinco de 23 encontros, entre oficiais e particulares, o último há mais de 40 anos.

Nem com Fernando Santos, que já quebrou ciclos negativos com Argentina e Itália, Portugal logrou 'pontuar', ao cair por 2-1 a 11 de outubro de 2014.

No Stade de France, Portugal começou praticamente a perder, com um golo de Karim Benzema, logo aos três minutos, tendo o médio Paul Pogba dilatado a vantagem gaulesa, aos 69. Aos 77, na conversão de uma grande penalidade, Ricardo Quaresma 'fez' de Ronaldo, já substituído, e assinou o tento luso.

A França começou a ganhar o estatuto de 'besta negra' lusa no Europeu de 1984, quando, como anfitriã, impediu Portugal de chegar à sua primeira final de uma grande competição, ao vencer por 3-2, após prolongamento, no Velódrome, em Marselha.

Depois de Jean-François Domergue adiantar os gauleses, a formação comandada pelo recém-malogrado Fernando Cabrita deu a volta ao resultado, graças a um 'bis' de Jordão, servido pelo génio de Chalana, a segunda vez já no tempo extra.

A formação das 'quinas' já 'via' a final, mas os últimos cinco minutos foram devastadores, com Domergue a 'bisar' e Michel Platini, quase em cima dos 120 minutos, a qualificar a França para a final, que ganharia (2-0 à Espanha).

Dezasseis anos depois, as duas seleções voltaram a encontrar-se numa meia-final de um Europeu, em 2000, na Holanda e Bélgica, e tudo foi muito idêntico.

A 28 de junho de 2000, em Bruxelas, o 'onze' de Humberto Coelho saiu na frente, com um tento de Nuno Gomes, mas Thierry Henry empatou e, já na parte final do prolongamento, outro '10' gaulês, agora Zinedine Zidane, resolveu, de penálti.

A grande penalidade foi originada por uma mão de Abel Xavier, assinalada por um dos auxiliares do árbitro, que não viu o lance. Os futebolistas portugueses clamaram, em uníssono, que, na área contrária, a falta não seria marcada.

A França ainda negou a Portugal uma terceira final, agora a que seria a primeira num Mundial, quando, a 05 de julho de 2006, no Allianz Arena, em Munique, superou a formação liderada pelo brasileiro Luiz Felipe Scolari.

Para não variar, o triunfo foi conseguido por um golo de diferença, agora 1-0, selado em mais um penálti concretizado por Zidane, aos 33 minutos, depois de uma falta tão infeliz como desnecessária de Ricardo Carvalho.

Para encontrar as cinco vitórias lusas é preciso ir ao 'baú' das recordações, onde se encontra, por exemplo, a goleada por 4-0 de 16 de março de 1927, materializada com um 'bis' de José Manuel Martins (Sporting) e outro de Pepe (Belenenses).

Depois, Portugal ainda venceu por 2-0 em 1930, no Porto, por 2-1 a 14 de abril de 1946, em Lisboa, no que é ainda o último triunfo caseiro, e por duas vezes em Paris, nos anos 70: 2-1 em 1973, com dois tentos do 'rei' Eusébio, e 2-0 a 26 de abril de 1975 - seguiram-se nove desaires.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.