sicnot

Perfil

Desporto

Piloto envolvido em acidente na Corunha "destroçado" e "perturbado"

O piloto do automóvel que se despistou sábado no Rali da Corunha, matando seis pessoas e ferindo outras 16, está "destroçado" e "perturbado", disse o presidente da autarquia de Carral, onde o acidente teve lugar.

CABALAR

De acordo com José Luiz Fernández, o piloto do Peugeot 206 - identificado como Sergio T. -, "apenas se apercebeu do sucedido quando saiu do carro".

Hoje, foram realizadas em Carral e na localidade vizinha de Cambre homenagens às seis vítimas mortais do acidente.

Na Corunha, foram decretados três dias de luto oficial em memória das vítimas.

Na sua conta oficial do Twitter, o presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, já tinha expressado as suas condolências. "Os meus sentidos pêsames pelos falecidos e desejos de pronta e completa recuperação dos feridos", escreveu Rajoy.

Dos 16 feridos transferidos para o Hospital Universitário da Corunha, cinco já tiveram alta, mas seis permanecem ainda internados, um dos quais em estado considerado muito grave.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.