sicnot

Perfil

Desporto

Presidente da Liga espanhola condena vaias aos jogadores

O presidente da Liga espanhola de futebol profissional (LFP), Javier Tebas, demonstrou hoje o seu desagrado com os adeptos que vaiaram o defesa do FC Barcelona Piqué.

© Susana Vera / Reuters

Tebas afirmou que é contra os adeptos vaiarem qualquer "jogador da seleção espanhola, muito menos quando estão a jogar a fase de qualificação para o Euro2016".

"Eu gostaria de mandar em muitos sítios, contudo não mando na UEFA", comentou o presidente da LFP em relação à possibilidade de tomar qualquer tipo de medida por causa deste assunto.

O dirigente acrescentou que é em Espanha que estão "os melhores clubes e os melhores jogadores", assim como "os melhores dirigentes do mundo" que conseguem com que "os objetivos económicos e desportivos sejam cumpridos".

O incidente com Piqué, no jogo da seleção espanhola frente à Eslováquia, já levou a mudança do 'palco' do jogo particular de 'la roja' frente à Inglaterra, do Estádio Santiago Bernabéu, em Madrid, para o Estádio José Rico Pérez, em Alicante.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.