sicnot

Perfil

Desporto

Confederação Brasileira vai pedir à FIFA para recorrer a imagens na arbitragem

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) prometeu hoje aos clubes brasileiros que irá pedir à FIFA permissão para recorrer a imagens televisivas de forma a auxiliar a arbitragem dos jogos da primeira divisão em 2016.

© Arnd Wiegmann / Reuters

A CBF, em reunião com os representantes dos clubes que solicitaram mudanças na arbitragem, propôs a criação de um juiz de vídeo, tendo como função acompanhar, com recurso a repetições, os jogos pela televisão, tendo este possibilidade de comunicar com o árbitro da partida.

"Sabemos que é impossível para os seres humanos para alcançar o índice de erro zero na arbitragem e é por isso que vamos pedir à FIFA para aprovar o uso de imagens de televisão para ajudar os árbitros ", disse o presidente da CBF, Marco Polo del Nero.

Segundo o organismo brasileiro, que pretendo liderar o processo de introdução da tecnologia no futebol, o árbitro de vídeo terá como função "corrigir a atribuição de erros técnicos ou disciplinares claros, que podem influenciar diretamente o resultado ou progresso das partidas".

Em caso de decisão favorável por parte da FIFA, a CBF será a primeira federação a obter luz verde para a utilização de imagens televisivas na arbitragem, um cenário que parece bastante improvável, em virtude da forte oposição do organismo ao recurso a tecnologias.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.