sicnot

Perfil

Desporto

José Mourinho "feliz" e "sem pressão" apesar do mau arranque de época do Chelsea

O treinador do Chelsea, o português José Mourinho, disse hoje que não está sob pressão no comando técnico do clube londrino de futebol, mas admitiu que o mau início de temporada trouxe um "sentimento estranho".

© Reuters Staff / Reuters

"Eu sou o atual campeão inglês. Porque deveria estar em apuros? Acho que é uma boa pergunta a que vocês não sabem responder", atirou o treinador português na conferência de imprensa de antevisão à receção ao Maccabi Tel Aviv, na quarta-feira, na jornada inaugural da Liga dos Campeões.

Na Liga inglesa, o Chelsea ocupa o 17º lugar, com quatro pontos, depois de ter somado três derrotas, uma vitória e um empate nos cinco jogos realizados.

"Há três meses, eramos a melhor equipa do país, o melhor treinador, os melhores jogadores. Nós sabemos quem somos. Não é por termos tido um mau arranque que alguém nos pode tirar o que somos", acrescentou Mourinho.

Apesar do pior arranque de sempre enquanto treinador, José Mourinho diz "continuar especial e feliz".

"Eu continuo especial e feliz. Juro-vos que estou bem. Não estou habituado a perder tantas vezes mas estou a adaptar-me à situação", afirmou.

Mourinho, a cumprir a terceira época neste regresso ao Chelsea, foi questionado pelo impacto das suas prestações nas terceiras temporadas.

"Não tive terceira época no FC Porto. No Inter não tive uma terceira época. Na minha primeira passagem pelo Chelsea ganhei a Taça de Inglaterra, a Taça da Liga e joguei a meia-final da Liga dos Campeões. No Real Madrid ganhei a Supertaça e joguei a meia-final da Liga dos Campeões. Estas foram as minhas terceiras épocas", comentou o técnico de 52 anos.

O Chelsea recebe na quarta-feira, em Stamford Bridge, o Maccabi Tel Aviv, na partida inaugural do Grupo G da 'liga milionária'.

Lusa

  • Detida no Brasil portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos
    3:04

    Mundo

    A Polícia do Rio de Janeiro deteve uma portuguesa acusada de várias burlas nos últimos 20 anos. Ana Resende fazia-se passar por funcionária do consulado e prometia vistos e outros documentos para tirar dinheiro das vítimas. Esta é a terceira vez que a polícia brasileira detém a portuguesa por acusações de burla.