sicnot

Perfil

Desporto

Toronto fora da corrida pela organização dos Jogos Olímpicos de 2024

A cidade canadiana de Toronto anunciou hoje formalmente que não será candidata à organização dos Jogos Olímpicos de 2024, remetendo uma candidatura para uma próxima edição.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

reuters

"Não digo não aos Jogos Olímpicos, digo não desta vez", declarou o presidente da câmara de Toronto, explicando que o município pretende investir em infraestruturas, mas não tendo os Jogos de 2024 como mote.

John Tory está convencido de que, no futuro, Toronto fornecerá "instalações de classe mundial" para os Jogos Olímpicos e prometeu que irá constituir um comité consultivo para avaliar as necessidades e os meios necessários para apresentar um dossier sólido para uma futura edição da mais importante competição desportiva à escala planetária.

"Não posso olhar as pessoas nos olhos e dizer-lhes que uma candidatura olímpica seja a melhor utilização dos nossos recursos", disse ainda o prefeito da maior cidade do Canadá.

O presidente do Comité Olímpico Canadiano (COC), que incentivou uma candidatura de Toronto para acolher os Jogos de 2024, mostrou-se otimista quanto a uma eventual corrida numa edição futura.

Até ao momento, e quando faltam poucas horas para que se esgote o prazo de apresentação de candidaturas, estão na corrida Budapeste, Hamburgo, Los Angeles, Paris e Roma.

Toronto, a quarta maior metrópole da América do Norte, candidatou-se por cinco vezes à organização dos JO, a última das quais em 2008, tendo perdido sempre.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.