sicnot

Perfil

Desporto

Real Madrid vence Granada à tangente, em jogo sem recorde para Cristiano Ronaldo

Um Real Madrid de serviços mínimos, e à espera de consagrar o futebolista português Cristiano Ronaldo como melhor marcador de sempre do clube, conseguiu o objetivo de vencer o Granada, mas falhou nos golos do luso.

© Juan Medina / Reuters

Cristiano Ronaldo terá que esperar mais alguns dias pelo inevitável: marcar e tornar-se o melhor marcador de sempre da equipa 'merengue', num momento em que lhe falta apenas um golo para igualar Raul González.

O antigo internacional espanhol soma 323 golos em 741 jogos disputados com a camisola 'blanca', enquanto o português tem 322 em 305 jogos.

Hoje, as atenções no Santiago Bernabéu centravam-se em muito no avançado internacional português, que na última jornada marcou cinco golos na vitória por 6-0 frente ao Espanyol e ainda assistiu Benzema no outro golo.

No jogo as queixas podem ser repartidas pelas duas equipas: primeiro pelo Granada, que viu na primeira parte ser-lhe anulado um golo que seria perfeitamente legal, enquanto os 'merengues' terão a reclamar duas grandes penalidades.

Ambas já na parte final do jogo -- quando o Real vencia com um golo de Benzema (55 minutos) -- a castigarem faltas sobre Isco (aos 81 minutos) e Cristiano Ronaldo (aos 88).

Nos 'merengues' quem acabou por estar em evidência foi o guarda-redes Keylor Navas, com um punhado de boas intervenções, a salvar aquilo que poderia ser a surpresa dos visitantes, que na última época tinham saído do Bernabéu 'esmagados' com um 9-1.

Com a magra vitória de hoje, mas que vale os mesmos três pontos, o Real Madrid continua sem sofrer golos na Liga, à quarta jornada, e é líder provisório, com 10 pontos. O FC Barcelona, que tem nove (três vitórias em três jogos), pode recuperar e passar para a frente no domingo, na receção ao Levante.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20