sicnot

Perfil

Desporto

FC Porto e Benfica jogam hoje primeiro grande clássico da Liga

FC Porto e Benfica enfrentam-se hoje no Estádio do Dragão no primeiro grande 'clássico' da I Liga de futebol, que opõe o líder e o bicampeão à quinta jornada e no qual se joga o comando do campeonato.

© Rafael Marchante / Arquivo Reuters

Os 'dragões' lideram com 10 pontos, em igualdade com o Sporting, que recebe o Nacional na segunda-feira e que até pode ser o grande beneficiado do jogo do Porto, enquanto os 'encarnados' seguem a apenas um ponto dos rivais.

Naquele que é o 163.º embate entre FC Porto e Benfica no campeonato, Rui Vitória tem pela frente o primeiro grande teste como técnico das 'águias' na liga, depois da derrota na Supertaça com o Sporting (1-0), enquanto Julen Lopetegui, técnico portista, procura o seu primeiro triunfo sobre os 'encarnados', após um desaire no Dragão (2-0) e um empate na Luz (0-0) na época passada.

O confronto entre ataque mais concretizador da prova, o do Benfica, com 13 golos marcados, e uma das duas defesas menos batidas, a do FC Porto, que sofreu apenas dois golos, tal como União da Madeira, está agendado para as 19:15 e será arbitrado por Artur Soares Dias.

Antes, o surpreendente Arouca, batido pelo FC Porto na ronda anterior, depois de derrotar o Benfica e o Moreirense e empatar com o Paços de Ferreira, tenta regressar aos triunfos na visita ao recém-promovido União da Madeira, para subir ao quarto posto.

O Estoril-Praia, que bateu o Tondela por 1-0, segue agora na quarta posição, com nove pontos, beneficiando da derrota caseira do Paços de Ferreira com o Rio Ave, por 3-0, que deixou ambos com oito pontos.

No outro jogo de hoje, a Académica, única equipa que ainda não pontuou, tenta inverter a tendência quando receber o Boavista (14.º).

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".