sicnot

Perfil

Desporto

Diego Simeone elogia português Tiago no jogo 200 pelo Atlético de Madrid

O treinador do Atlético de Madrid, Diego Simeone, elogiou hoje o médio Tiago, que completou o jogo 200 pelos 'colchoneros', admitindo que ter dois jogadores como o português não se poderia pagar.

© Javier Barbancho / Reuters

"Tiago é um jogador muito importante para nós. É o cérebro do meio-campo. Não só pelo que joga, mas pela capacidade de perceber o que precisa a equipa. Isso ganha-se com a idade. Com ele a equipa mudou, deixou de sofrer e passou a dominar o jogo", afirmou Simeone no dia em que o jogador português completou o jogo 200 com a camisola do Atlético de Madrid.

Depois de começar o jogo no banco, o internacional português entrou no segundo tempo no jogo de hoje, em que o Atlético de Madrid se impos ao Getafe, numa altura em que a equipa da casa vencia por 1-0 um jogo que acabou por vencer por 2-0 graças a um 'bis' do francês Griezman.

O treinador argentino teceu também elogios ao avançado colombiano ex-FC Porto Jackson Martinez, que também saído do banco acabou por ter um papel decisivo na jogada do segundo golo de Griezman.

"O Jackson está a trabalhar com muito entusiasmo para responder a todas as expectativas que estão postas em si", disse.

Com 12 pontos, os mesmos que o FC Barcelona, que joga na quarta-feira frente ao Celta de Vigo, o Atlético de Madrid lidera, à condição, a liga espanhola.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.