sicnot

Perfil

Desporto

Jorge Mendes é o segundo agente desportivo mais poderoso do mundo

O português Jorge Mendes é o segundo agente desportivo mais poderoso do mundo, com 950 milhões de dólares (848,5 milhões de euros) em transações ativas envolvendo jogadores, noticia a revista norte-americana Forbes.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

De acordo com a publicação, através da empresa Gestifute, o 'superagente' Jorge Mendes "representa alguns dos nomes mais notáveis" do futebol europeu, entre os quais o português do Real Madrid Cristiano Ronaldo.

"O mercado europeu (...) com as suas comissões sem restrições e comissões de transferência que rapidamente aumentam de valor, permitiram a Mendes negociar mais de 950 milhões de dólares [848,5 milhões de euros] em transações envolvendo jogadores, de que resultaram pelo menos 95 milhões de dólares [85 milhões de euros]", pode ler-se no artigo.

No artigo intitulado "Os agentes desportivos mais poderosos do mundo 2015", é ainda referido o facto de Jorge Mendes representar o avançado português Cristiano Ronaldo, bem como o seu colega de equipa James Rodríguez, além de Ángel Di María (Paris Saint Germain) ou Diego Costa (Chelsea).

"Mendes é tão apreciado por Ronaldo que a estrela de futebol comprou-lhe uma ilha grega como presente de casamento neste verão", apontam.

O agente desportivo em primeiro lugar na lista da Forbes é o norte-americano Scott Boras, que averbou 2,3 mil milhões de dólares (cerca de dois mil milhões de euros) com transações de jogadores da "Major League Baseball" (MLB), a liga de beisebol norte-americano, alcançando 117 milhões de dólares em comissões (104,5 milhões de euros).

A revista norte-americana divulgou também hoje uma lista das agências desportivas mais poderosas do mundo, na qual a Gestifute de Jorge Mendes surge em sexto lugar.

Em primeiro lugar na lista das maiores agências está a Creative Artists Agency (CAA), que tem em carteira mais de 6,4 mil milhões de dólares (5,7 mil milhões de euros) em contratos ativos de jogadores, de que resultaram 260 milhões de dólares (232 milhões de euros) em comissões.

Lusa

  • Jorge Mendes defende Cristiano Ronaldo
    1:25

    Cristiano Ronaldo

    Numa entrevista concedida ontem à radio espanhola Cadena SER, o empresário garante que Cristiano Ronaldo estava muito aborrecido com a derrota do Real Madrid mas, por consideração aos 150 convidados, não cancelou a festa de aniversário. Jorge Mendes criticou ainda o cantor colombiano Kevin Roldán por ter divulgado imagens de um evento privado.

  • Chamas no concelho de Torre de Moncorvo ameaçaram aldeia
    1:30

    País

    Dois incêndios no concelho de Torre de Moncorvo deram luta aos bombeiros na tarde de ontem e também durante toda a noite. As chamas estiveram muito próximas da aldeia de Cabanas de Cima, mas os bombeiros conseguiram desviar o fogo.

  • Se

    Se Jaime Marta Soares tiver razão, se a ciência e as autoridades não forem - outra vez? - manipuladas pelo poder político, se a investigação - independente - concluir que o fogo começou muito antes da trovoada, então, estamos diante de um dos maiores embustes do Portugal democrático.

    Pedro Cruz

  • Governo cria fundo de apoio para as pessoas afetadas pelos incêndios
    1:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O ministro do Planeamento e Infraestruturas reuniu-se esta quarta-feira com os autarcas de Figueró dos Vinhos, Castanheira de Pera e Pedrógão  Grande. O Governo criou um fundo financeiro, com o contributo dos portugueses, para apoiar a reconstrução das habitações e a vida das pessoas afetadas pelos incêndios que lavram desde sábado. O fundo será aprovado quinta-feira em Conselho de Ministros.

  • A reconstrução da Nacional 236
    1:44
  • Harry admite que ninguém na família real britânica quer ser rei ou rainha

    Mundo

    O príncipe Harry admitiu que nenhum dos mais jovens membros da família real britânica quer ser rei ou rainha. Numa entrevista exclusiva à revista norte-americana Newsweek, na qual aborda temas como a morte da mãe, que perdeu com apenas 12 anos, Harry afirma que ele e o irmão estão empenhados em "modernizar a monarquia".

    SIC