sicnot

Perfil

Desporto

Médica Eva Carneiro deixa o Chelsea e pondera recorrer à justiça

A Associação Britânica de Médicos de Futebol (FMA) confirmou hoje que Eva Carneiro deixou o Chelsea e que a médica está a ponderar agir judicialmente contra o clube inglês de futebol.

Eva Carneiro e Mourinho, em abril do ano passado

Eva Carneiro e Mourinho, em abril do ano passado

© Eddie Keogh / Reuters

Eva Carneiro foi afastada da equipa médica do Chelsea pelo treinador português José Mourinho a 12 de agosto, poucos dias depois de ter entrado em campo para assistir Hazard já em tempo de descontos do encontro entre os Blues e o Swansea, que estava empatado a dois golos.

O jogador belga acabou por sair de campo para ser assistido, deixando o Chelsea reduzido a nove jogadores, pois tudo aconteceu numa altura em que o guarda-redes Thibaut Courtois já tinha sido expulso.

José Mourinho considerou que Eva Carneiro, que ingressou na equipa médica do clube em 2009, teve um comportamento "impulsivo" e referiu que a equipa médica só deve entrar em campo quando tem a certeza de que o jogador tem um problema sério.

A FMA manifestou-se "extremamente desapontada" com a saída de Eva Carneiro e revelou ter falado com o Chelsea em representação da médica, nascida em Gibraltar

"Fomos contactados por Eva Carneiro e oferecemo-nos para tentar negociar [com o Chelsea]. Infelizmente não resultou", refere a FMA, acrescentando que o clube londrino "considera que o assunto é do foro interno", que deve ser discutido entre os seus representantes e os de Eva Carneiro".

Na terça-feira, alguns órgãos de comunicação social ingleses deram conta da saída de Eva Carneiro, indicando que a médica se recusou a voltar ao clube na passada sexta-feira.

O anúncio da saída de Eva Carneiro surge poucos dias depois de a Federação Inglesa de Futebol (FA) ter confirmado a existência de um inquérito relativo ao jogo entre o Chelsea e o Swansea, sem adiantar mais pormenores.

Imagens do incidente entre José Mourinho e Eva Carneiro, transmitidas pela Sky Sports, mostram o treinador português agastado com a situação e a trocar algumas palavras com Eva Carneiro quando esta regressou ao banco.

De acordo com os regulamentos da FA, jogadores e treinadores podem ser punidos por usar linguagem ofensiva ou abusiva e incorrem numa punição mínima de cinco jogos.

Lusa

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.