sicnot

Perfil

Desporto

Jason Richardson deixa a NBA aos 34 anos

Jason Richardson, considerado um dos maiores especialistas em 'afundanços' na Liga Norte-americana de Basquetebol (NBA), anunciou na quarta-feira que vai abandonar os pavilhões, aos 34 anos.

Em 14 temporadas na NBA, Jason Richardon, que nunca conquistou um 'anel' de campeão, registou uma média de 17,1 pontos e 2,7 assistências por jogo. (Arquivo)

Em 14 temporadas na NBA, Jason Richardon, que nunca conquistou um 'anel' de campeão, registou uma média de 17,1 pontos e 2,7 assistências por jogo. (Arquivo)

© Tim Shaffer / Reuters

"Hoje [quarta-feira], é um momento agridoce para mim. Estou a anunciar que vou abandonar o basquetebol profissional. Ir embora foi das decisões mais difíceis que tomei, mas prevaleceram a minha saúde e a minha família", escreveu o base na sua conta oficial no Instagram.

Richardson, que venceu dois concursos de 'afundanços', em 2002 e 2003, estreou-se na NBA em 2001, ao serviço dos Golden State Warriors, clube que representou até 2007.

Seguiu-se depois uma temporada com a camisola dos Charlotte Bobcats, transferindo-se posteriormente para os Phoenix Suns, onde permaneceu até 2010.

Nesse mesmo ano, assinou pelos Orlando Magic, encerrando a carreira com o emblema dos Philadelphia 76ers, clube a chegou em 2012.

Em 14 temporadas na NBA, Jason Richardon, que nunca conquistou um 'anel' de campeão, registou uma média de 17,1 pontos e 2,7 assistências por jogo.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.