sicnot

Perfil

Desporto

Zico revela que lhe falta apoio das federações para eleições na FIFA

O ex-futebolista internacional brasileiro Zico, que anunciou ser candidato à presidência da FIFA, revelou esta quinta que lhe falta o apoio das cinco federações, uma das condições para concorrer.

O brasileiro salientou que o problema não é ser uma vítima do sistema, num caso que compara ao de Luís Figo, devido ao facto de o português, que chegou a apresentar a candidatura nas eleições de maio, se ter retirado devido a falta mais de apoios. (Arquivo)

O brasileiro salientou que o problema não é ser uma vítima do sistema, num caso que compara ao de Luís Figo, devido ao facto de o português, que chegou a apresentar a candidatura nas eleições de maio, se ter retirado devido a falta mais de apoios. (Arquivo)

© Carlos Jasso / Reuters

O antigo médio explicou em Zurique, à margem de uma reunião do Comité executivo da FIFA, que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) não lhe manifestou qualquer apoio, nem fez qualquer sugestão de aliança de outras, que viabilizasse a candidatura.

A antiga estrela do futebol 'canarinho' está desde segunda-feira em Zurique, onde se encontrou com o ainda presidente, o demissionário Joseph Blatter, e com François Carrard, da comissão de reformas da FIFA.

Zico, de 62 anos, revelou ainda que esteve também com o presidente da Federação de Futebol dos Estados Unidos, Sunil Gulati, e com o vice-presidente da federação japonesa, Khozo Tashima, ambos membros do comité executivo.

"Nenhuma dessas federações me prometeu alguma coisa", frisou o antigo médio, dizendo que também o processo eleitoral precisa de ser reformado, acrescentando que o atual modelo favorece os poderes instalados.

O brasileiro salientou que o problema não é ser uma vítima do sistema, num caso que compara ao de Luís Figo, devido ao facto de o português, que chegou a apresentar a candidatura nas eleições de maio, se ter retirado devido a falta mais de apoios.

Lusa

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Milhares de brasileiros protestam na Praia de Copacabana contra Temer
    3:04
  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40
  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.