sicnot

Perfil

Desporto

João Sousa perde final do torneio de São Petersburgo

O tenista português João Sousa, sétimo cabeça de série, perdeu este domingo com o canadiano Milos Raonic a final do torneio ATP250 de São Petersburgo, na Rússia.

O tenista vimaranense, 53.º do 'ranking' mundial, perdeu com o nono da hierarquia em três 'sets', pelos parciais de 6-3, 3-6 e 6-3, em duas horas e seis minutos.

O tenista vimaranense, 53.º do 'ranking' mundial, perdeu com o nono da hierarquia em três 'sets', pelos parciais de 6-3, 3-6 e 6-3, em duas horas e seis minutos.

ANATOLY MALTSEV / Lusa

O tenista vimaranense, 53.º do 'ranking' mundial, perdeu com o nono da hierarquia em três 'sets', pelos parciais de 6-3, 3-6 e 6-3, em duas horas e seis minutos.

Esta foi a sexta final do circuito, a terceira este ano, que João Sousa disputou na carreira, continuando com apenas um troféu no currículo, conquistado em Kuala Lumpur, na Malásia, em 2013.

Depois desse triunfo, João Sousa disputou as finais de Metz e Bastad, em 2014, e de Genebra e Umag, já este ano, tendo disputado as duas últimas perante o brasileiro Thomas Bellucci e o austríaco Dominic Thiem, respetivamente.

João Sousa perdeu pela terceira vez, em outros tantos confrontos diretos, com Raonic, que já tinha ganho ao português este ano na segunda ronda do Masters 1000 de Monte Carlo, por 3-6 e 6-7 (4-7).

O primeiro embate foi disputado na edição de 2011 do antigo Estoril Open. Nessa ocasião, o canadiano tinha vencido o português na segunda ronda por 6-3 e 6-3.

Para Raonic, este foi o sétimo troféu da carreira, o primeiro em 2015, num total de 15 finais já disputadas.

Lusa

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".