sicnot

Perfil

Desporto

Iniesta lesiona-se e desfalca FC Barcelona por quatro semanas

O médio Andrés Iniesta lesionou-se hoje no bíceps femoral da perna direita e deverá desfalcar o FC Barcelona durante quatro semanas, juntando-se no lote de lesionados a Messi e Rafinha.

© Albert Gea / Reuters

Iniesta foi substituído, aos 60 minutos, por Jordi Alba, e, segundo os diários desportivos espanhóis, o tempo de paragem deverá ser de sensivelmente um mês.

"Isto das lesões já parece uma brincadeira", lamentou o treinador do 'Barça', Luis Enrique, depois do sofrido triunfo caseiro sobre o Bayer Leverkusen (2-1), na segunda jornada do grupo E da Liga dos Campeões.

Os alemães adiantaram-se aos 22 minutos, por Kyriakos Papadopoulos, com os catalães a responder nos últimos 10, já despois da saída de Iniesta, com tentos de Sergi Roberto, aos 80, e do uruguaio Luis Suárez, aos 82.

Iniesta deverá perder quatro jogos, três do campeonato espanhol -- Sevilha (fora) e Rayo Vallecano e Eibar, ambos em Nou Camp -- e a deslocação ao reduto do BATE Borisov, para a terceira jornada da 'Champions'.

Por seu lado, Messi, que se lesionou no fim de semana, vai estar fora entre sete e oito semanas, enquanto Rafinha, vítima de uma carga forte de Naiggolan (Roma) na primeira jornada da Liga dos Campeões, estará de fora até ao final da época.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.