sicnot

Perfil

Desporto

Jack Warner banido de toda a atividade ligada ao futebol

O ex-vice-presidente da FIFA Jack Warner, um dos envolvidos no escândalo de corrupção do organismo, foi banido para sempre de toda a atividade relacionada com o futebol, anunciou hoje o Comité de Ética daquela entidade.

© Andrea De Silva / Reuters

"Concluiu-se que Jack Warner cometeu muitos e variados atos de má gestão continuada e repetidamente enquanto ocupou altos e influentes cargos na FIFA e na CONCACAF [Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caraíbas]", lê-se no comunicado do Comité de Ética.

Durante a sua atividade como dirigente, Jack Warner "foi uma figura-chave em esquemas de oferta, aceitação e recebimento de pagamentos ilegais e desconhecidos e outros esquemas para fazer dinheiro", violando regras de conduta, lealdade, dever de revelação e cooperação, conflito de interesses, oferta e aceitação de prendas e outros benefícios e a obrigação das partes em colaborar, constantes no Código de Ética da FIFA.

A decisão foi tomada com base na investigação desencadeada em janeiro de 2015 na sequência do relatório resultante do inquérito ao processo de atribuição da organização dos Mundiais de 2018 e 2002, à Rússia e ao Qatar, respetivamente.

O afastamento definitivo do dirigente de Trindade e Tobago abarca a atividade nacional e internacional e produz efeitos desde 25 de setembro, data da notificação.

Warner, de 72 anos, enfrenta ainda um pedido de extradição feito pelas autoridades dos Estados Unidos, onde pendem sobre ele 12 acusações de fraude, crime organizado e branqueamento de capitais relacionadas com o escândalo de corrupção que abala a FIFA.

A justiça norte-americana acusou 14 pessoas, incluindo dirigentes e ex-dirigentes da FIFA e empresas de marketing desportivo, de receberem mais de 134 milhões de euros em subornos e pagamentos indevidos ao longo de duas décadas.

Jack Warner é acusado, entre outras coisas, de ter adquirido os direitos televisivos dos Mundiais de 2010 e 2014 ao presidente da FIFA, Joseph Blatter, por valores extremamente baixos.

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.