sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Atlético espera que UEFA não puna os madrilenos

O presidente do Atlético de Madrid, Enrique Cerezo, disse esta terça-feira esperar que o inquérito disciplinar instaurado pela UEFA aos madrilenos e ao Benfica não resulte em "nenhuma sanção", até porque o problema "foi criado" pelo clube da Luz.

O presidente do Atlético de Madrid, Enrique Cerezo. (Arquivo)

O presidente do Atlético de Madrid, Enrique Cerezo. (Arquivo)

Paul White / AP

Na segunda-feira, a UEFA abriu um inquérito disciplinar ao Benfica, por incidentes provocados por adeptos 'encarnados' no jogo de quarta-feira no terreno do Atlético de Madrid, na segunda jornada do Grupo C da Liga dos Campeões de futebol.

Segundo o organismo, em causa estão "distúrbios de adeptos, lançamento de objetos e tochas". Foi também instaurado um inquérito ao Atlético de Madrid por "bloqueamento de escadas" do estádio Vicente Calderón.

"Tanto nós como os dirigentes do Benfica expressámos o nosso descontentamento pelos incidentes, mas veremos no final o que decide a UEFA. Espero que este inquérito não origine nenhuma sanção", afirmou Cerezo aos jornalistas espanhóis.

O presidente do Atlético de Madrid lembrou que o lançamento de tochas e outros objetos para as bancadas foi um incidente "criado pelo Benfica", em alusão aos adeptos 'encarnados', admitindo tratar-se de "um assunto complicado e de difícil resolução".

Cerezo sublinhou que o estádio Vicente Calderón cumpre com todos os requisitos de segurança, embora "ninguém esteja isento da entrada de um adepto com 50 tochas".

"Para evitar garantidamente isso, o tempo de entrada num estádio seria interminável", justificou Enrique Cerezo.

Na reta final do primeiro tempo do jogo entre 'colchoneros' e 'águias', que o Benfica venceu por 2-1, poucos momentos depois de o clube da Luz ter conseguido chegar à igualdade, adeptos 'encarnados' acenderam tochas e lançaram-nas sobre seguidores 'colchoneros'.

O processo será julgado a 15 de outubro pelo Comité de Controlo, Ética e Disciplina.

Lusa

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Vila de Gavião viu-se cercada pelas chamas
    2:17
  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14
  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22