sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Atlético espera que UEFA não puna os madrilenos

O presidente do Atlético de Madrid, Enrique Cerezo, disse esta terça-feira esperar que o inquérito disciplinar instaurado pela UEFA aos madrilenos e ao Benfica não resulte em "nenhuma sanção", até porque o problema "foi criado" pelo clube da Luz.

O presidente do Atlético de Madrid, Enrique Cerezo. (Arquivo)

O presidente do Atlético de Madrid, Enrique Cerezo. (Arquivo)

Paul White / AP

Na segunda-feira, a UEFA abriu um inquérito disciplinar ao Benfica, por incidentes provocados por adeptos 'encarnados' no jogo de quarta-feira no terreno do Atlético de Madrid, na segunda jornada do Grupo C da Liga dos Campeões de futebol.

Segundo o organismo, em causa estão "distúrbios de adeptos, lançamento de objetos e tochas". Foi também instaurado um inquérito ao Atlético de Madrid por "bloqueamento de escadas" do estádio Vicente Calderón.

"Tanto nós como os dirigentes do Benfica expressámos o nosso descontentamento pelos incidentes, mas veremos no final o que decide a UEFA. Espero que este inquérito não origine nenhuma sanção", afirmou Cerezo aos jornalistas espanhóis.

O presidente do Atlético de Madrid lembrou que o lançamento de tochas e outros objetos para as bancadas foi um incidente "criado pelo Benfica", em alusão aos adeptos 'encarnados', admitindo tratar-se de "um assunto complicado e de difícil resolução".

Cerezo sublinhou que o estádio Vicente Calderón cumpre com todos os requisitos de segurança, embora "ninguém esteja isento da entrada de um adepto com 50 tochas".

"Para evitar garantidamente isso, o tempo de entrada num estádio seria interminável", justificou Enrique Cerezo.

Na reta final do primeiro tempo do jogo entre 'colchoneros' e 'águias', que o Benfica venceu por 2-1, poucos momentos depois de o clube da Luz ter conseguido chegar à igualdade, adeptos 'encarnados' acenderam tochas e lançaram-nas sobre seguidores 'colchoneros'.

O processo será julgado a 15 de outubro pelo Comité de Controlo, Ética e Disciplina.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida