sicnot

Perfil

Desporto

"Se alguém não pagou o salário a Jesus não foi o Sporting"

O presidente do Sporting disse esta terça-feira que se alguém está em falta no pagamento do salário ao treinador de futebol Jorge Jesus não é o clube 'leonino' e sugeriu que a mesma pergunta fosse feita ao rival Benfica.

No domingo, Bruno de Carvalho assumiu que foi um "erro" negociar a parceria com a W52 para o regresso do clube 'verde e branco' ao ciclismo e prometeu trabalhar "num projeto que tenha ambição mas onde a ética e a verdade desportiva sejam uma constante". (Arquivo)

No domingo, Bruno de Carvalho assumiu que foi um "erro" negociar a parceria com a W52 para o regresso do clube 'verde e branco' ao ciclismo e prometeu trabalhar "num projeto que tenha ambição mas onde a ética e a verdade desportiva sejam uma constante". (Arquivo)

SIC

"O Jorge Jesus recebeu o prémio da Supertaça, que está no museu, como todos nós. O Sporting cumpre com os seus compromissos contratuais e não deve salários a ninguém. Se alguém lhe deve não é o Sporting, façam a mesma pergunta no estádio da Luz", disse Bruno de Carvalho durante a apresentação da corrida Sporting2015, quando questionado se o prémio pela conquista da Supertaça já tinha efetuado ao atual treinador do clube.

Confrontado com a apresentação de uma eventual queixa-crime por parte do Benfica contra si por ter revelado no programa Prolongamento da TVI 24 a receção de uma denúncia, alegadamente anónima, acerca de prendas que o rival oferece aos árbitros, delegados e observadores, Bruno de Carvalho desconversou: "O Paulo Oliveira [defesa-central da equipa principal que está lesionado e que se encontrava na sala] está a recuperar bem e dentro de algumas semanas poderá estar apto. Faz muita falta à equipa."

Sobre as críticas ao funcionamento do atual sistema de arbitragem que teceu no mesmo programa televisivo, Bruno de Carvalho disse "não se lembrar" de o ter feito, mas sim de ter falado acerca das propostas que o Sporting apresentou para o setor no sentido da sua credibilização.

"Digo isto há três anos: gostaria de ver um futebol onde os árbitros fossem respeitados e isso tem a ver com as condições que lhes são disponibilizadas", referiu Bruno de Carvalho, para quem os árbitros devem ter outras condições, nomeadamente "o auxílio das novas tecnologias, para lhes proporcionar mais credibilidade".

Questionado se iria exigir uma indemnização ao jogador peruano André Carrillo, atualmente suspenso e alvo de um processo disciplinar, o presidente dos 'leões' não foi tão longe: "O processo está a decorrer dentro da normalidade e seguirá os seus trâmites. Não seria honesto estar a antecipar cenários. O mais importante é que o Paulo [Oliveira] recupere o mais rápido possível, porque nos faz muita falta."

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.