sicnot

Perfil

Desporto

Messi será julgado em Espanha por fraude fiscal

​O futebolista argentino Lionel Messi, do FC Barcelona, vai ser julgado por fraude fiscal, juntamente com o se pai, anunciou hoje o juiz do tribunal de instrução de Gavà (Barcelona).

(Arquivo)

(Arquivo)

© Mariana Bazo / Reuters

Apesar de o ministério público ter pedido a absolvição de Messi, o juiz deu seguimento à acusação, porque o advogado do Estado continua a imputar o futebolista como coautor de três crimes de fraude fiscal, num valor de 4,1 milhões de euros.

Lionel Messi e o pai são acusados de, em 2013, terem defraudado o fisco em valores relativos aos direitos de imagens do futebolista, entre 2007 e 2009, através da criação de empresas falsas no Belize e no Uruguai.

O advogado do Estado pediu para Messi e para o seu pai uma pena de sete meses e quinze dias de prisão por cada crime de que são acusados, além de uma multa do valor da fraude e o impedimento de receber ajudas públicas ou incentivos fiscais durante um ano e meio.

O juiz não aplicou nenhuma medida cautelar contra nenhum dos dois acusados, porque ambos têm mostrado vontade de colaborar e já entregaram, voluntariamente, o valor da alegada fraude fiscal.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.