sicnot

Perfil

Desporto

PGR confirma receção de participação da FPF sobre declarações de Bruno de Carvalho

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou hoje ter recebido e remetido ao Ministério Público competente uma participação da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) sobre as declarações do presidente do Sporting sobre aliciamentos a árbitros.

No domingo, Bruno de Carvalho assumiu que foi um "erro" negociar a parceria com a W52 para o regresso do clube 'verde e branco' ao ciclismo e prometeu trabalhar "num projeto que tenha ambição mas onde a ética e a verdade desportiva sejam uma constante". (Arquivo)

No domingo, Bruno de Carvalho assumiu que foi um "erro" negociar a parceria com a W52 para o regresso do clube 'verde e branco' ao ciclismo e prometeu trabalhar "num projeto que tenha ambição mas onde a ética e a verdade desportiva sejam uma constante". (Arquivo)

SIC

"Confirma-se a receção, ontem [quarta-feira], na Procuradoria-Geral da República de uma participação da Federação Portuguesa de Futebol (...). A mesma será remetida ao Ministério Público competente, com vista à instauração de inquérito, disse a assessoria de imprensa da PGR à agência Lusa.

A FPF pediu quarta-feira a intervenção do Ministério Público para verificar a eventual existência de ilícitos na sequência das declarações do presidente do Sporting sobre aliciamentos a árbitros por parte do Benfica.

"A federação participou ao Ministério Público todo o dossiê sobre as suspeitas" levantadas por Bruno de Carvalho durante o programa Prolongamento, na TVI24, disse fonte da FPF à Lusa.

Na segunda-feira, o presidente do Sporting denunciou alegados aliciamentos a árbitros feitos pelo Benfica, referindo que, por ano, o valor que os 'encarnados' despendem em jantares e prendas ronda "um quarto de milhão de euros".

Na terça-feira, o presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), José Fontelas Gomes disse à Lusa estar a analisar as declarações do presidente do Sporting, desafiando Bruno de Carvalho a provar o que disse.

Lusa

  • "Os outros animais não vivem no mundo moral como nós"
    3:51

    País

    A presidente da associação ANIMAL, Rita Silva, tem a seu cargo o cão que, em 2013, ficou conhecido por ter estado envolvido na morte duma criança de 18 meses, em Beja. Segundo a ativista, vão continuar a acontecer episódios trágicos se a fiscalização não for reforçada e se os próprios donos não tiverem consciência da responsabilidade que implica ter um animal.

  • "Tanolas" tem cadastro criminal e já foi condenado a pena suspensa
    0:55