sicnot

Perfil

Desporto

Sainz saiu ileso do acidente no GP da Rússia e deverá deixar o hospital em breve

O espanhol Carlos Sainz Jr saiu ileso do violento acidente que sofreu hoje nos treinos livrs do Grande Prémio da Rússia de Fórmula 1 e "deverá sair rapidamente do hospital", afirmou Franz Tost, diretor da escuderia Toro Rosso.

Ivan Sekretarev

"Está tudo bem com ele. Os médicos viram tudo, não tem nada partido e deverá sair rapidamente do hospital", indicou Tost aos jornalistas no 'paddock' do Austódromo de Sochi, antes do início das qqualificações da 15.ª das 19 provas do campeonato do mundo

Carlos Sainz Jr também publicou uma foto na suas contas no Twitter e no Instagram deitado na cama do hospital, a sorrir e com o polegar levantado, afirmando: "Tudo OK! Não se preocupam! Já estou a pensar em como convencer os médicos a deixarem-me correr amanhã [domingo]".

Tost disse ainda que a Toro Rosso deverá "examinar os dados [informáticos] para conhecer as razões exatas do acidente".

"O que me inquieta mais é o facto de as barreiras de segurança [em material plástico] se tenham elevado" após impacto do do carro, acrescentou Tost.

Na terceira sessão de treinos livres, o carro do espanhol, estreante na Fórmula 1 e filho do bicampeão mundial de ralis Carlos Sainz, roçou nas proteções laterais esquerdas durante algumas dezenas de metros na zona de travagem para a curva 13 (direita) e seguiu em frente, embatendo nas barreiras de segurança.

O piloto, consciente, levantou o polegar antes de ser transportado de ambulância para o centro médico do circuito. Posteriormente foi levado de helicóptero para o hospital mais próximo, para ser submetido a exames mais profundos.

A sessão esteve interrompida durante 35 minutos após o acidente de Sainz e a direção acabou por cancelá-la em definitivo pouco depois de o espanhol ter sido retirado da pista.

Sainz, de 21 anos, disputou 14 grandes prémios na sua época de estreia e somou 12 pontos, tendo como melhor resultado o oitavo lugar na Malásia.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.