sicnot

Perfil

Desporto

Sainz saiu ileso do acidente no GP da Rússia e deverá deixar o hospital em breve

O espanhol Carlos Sainz Jr saiu ileso do violento acidente que sofreu hoje nos treinos livrs do Grande Prémio da Rússia de Fórmula 1 e "deverá sair rapidamente do hospital", afirmou Franz Tost, diretor da escuderia Toro Rosso.

Ivan Sekretarev

"Está tudo bem com ele. Os médicos viram tudo, não tem nada partido e deverá sair rapidamente do hospital", indicou Tost aos jornalistas no 'paddock' do Austódromo de Sochi, antes do início das qqualificações da 15.ª das 19 provas do campeonato do mundo

Carlos Sainz Jr também publicou uma foto na suas contas no Twitter e no Instagram deitado na cama do hospital, a sorrir e com o polegar levantado, afirmando: "Tudo OK! Não se preocupam! Já estou a pensar em como convencer os médicos a deixarem-me correr amanhã [domingo]".

Tost disse ainda que a Toro Rosso deverá "examinar os dados [informáticos] para conhecer as razões exatas do acidente".

"O que me inquieta mais é o facto de as barreiras de segurança [em material plástico] se tenham elevado" após impacto do do carro, acrescentou Tost.

Na terceira sessão de treinos livres, o carro do espanhol, estreante na Fórmula 1 e filho do bicampeão mundial de ralis Carlos Sainz, roçou nas proteções laterais esquerdas durante algumas dezenas de metros na zona de travagem para a curva 13 (direita) e seguiu em frente, embatendo nas barreiras de segurança.

O piloto, consciente, levantou o polegar antes de ser transportado de ambulância para o centro médico do circuito. Posteriormente foi levado de helicóptero para o hospital mais próximo, para ser submetido a exames mais profundos.

A sessão esteve interrompida durante 35 minutos após o acidente de Sainz e a direção acabou por cancelá-la em definitivo pouco depois de o espanhol ter sido retirado da pista.

Sainz, de 21 anos, disputou 14 grandes prémios na sua época de estreia e somou 12 pontos, tendo como melhor resultado o oitavo lugar na Malásia.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.