sicnot

Perfil

Desporto

Nadal recupera de "lesão mental" e acredita que estará a outro nível em 2016

O tenista espanhol Rafael Nadal assegurou esta terça-feira que já recuperou da lesão do pé, sofrida na final do torneio de Pequim (derrota com sérvio Novak Djokovic) e que está a recuperar da "lesão mental" que o tem prejudicado.

Após a derrota com Djokovic na final do open da China, por um duplo 6-2, Nadal disse que se sentiu assustado, mas que já está a recuperar a confiança.

Após a derrota com Djokovic na final do open da China, por um duplo 6-2, Nadal disse que se sentiu assustado, mas que já está a recuperar a confiança.

© Kim Kyung Hoon / Reuters

Após a derrota com o sérvio por um duplo 6-2, Nadal disse que se sentiu assustado, mas que já está a recuperar a confiança.

"Eu não conseguia controlar os meus nervos ou a minha emoção. Não é uma lesão física, é mental. Para mim é outro desafio, mas já estou a recuperar", admitiu o número sete do 'ranking' mundial, que pela primeira vez desde 2014 terminou o ano sem conquistar um título do 'Grand Slam'.

O tenista de 29 anos, vencedor de 14 troféus do 'Grand Slam', garante que "vai trabalhar duro".

"Vou dar o máximo. Trabalhar duro. Acredito que sou muito melhor. Os resultados não estão a aparecer, mas acredito que se continuar com a mesma qualidade de jogo, e se não tiver lesões, irei começar o próximo ano com outro nível de jogo", acrescentou o tenista maiorquino.

Lusa

  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.